04 fevereiro 2015

Nova casa

Pessoal: o Reforma e Carisma se mudou! Já que o Facebook coloca restrições aos blogs do Blogger, agora estamos no Wordpress. O endereço novo é https://reformaecarisma.wordpress.com/

Os textos antigos continuam aqui, mas também podem ser lidos na nova casa.

Graça e paz do Senhor,

Helder Nozima
Barro nas mãos do Oleiro

09 janeiro 2015

Como cristãos devem agir diante do terrorismo islâmico?

No momento em que escrevo este texto, um amigo que considero como irmão estuda em Paris, junto com sua esposa. A cidade encontra-se paralisada após o atentado terrorista cometido por muçulmanos radicais ao jornal Charlie Hebdo. Os suspeitos do atentado estão cercados em uma fábrica e um outro atirador matou pessoas e está em um supermercado judaico. Ambos estão com reféns.

Infelizmente, não é um caso isolado. No dia 8 de janeiro, o Boko Haram matou cerca de cem pessoas na cidade nigeriana de Baqa. Oito pessoas foram mortas em atentados suicidas em Bagdá, no Iraque, onde 15 mil pessoas morreram e 22 mil ficaram feridas por causa do terrorismo em 2014. O Estado Islâmico continua controlando áreas do Iraque e da Síria. E, ao contrário do discurso oficial, uma análise mais séria das estatísticas mostra claramente que a maioria dos muçulmanos pode ser considerada radical, como mostra este vídeo de Ben Shapiro e esta matéria do Felipe Moura Brasil:
E aí, vem a pergunta: como os cristãos devem reagir? Devemos ser pacifistas e nos recusar a apoiar qualquer tipo de resposta militar a tais ataques? Uma simples intensificação da obra missionária é suficiente? Ou será que este assunto não é de nossa competência, e devemos simplesmente ignorá-lo e fingir que o terrorismo é distante e nunca atingirá nossos amigos, nossa família e a nossa nação? Devemos fingir que esse terrorismo não mata e estupra cristãos ou os obriga a deixarem tudo para trás e se transformarem em refugiados?

Creio que uma boa resposta a esses questionamentos está em Neemias 4:
Assim, edificamos o muro, e todo o muro se fechou até a metade de sua altura; porque o povo tinha ânimo para trabalhar. Mas, ouvindo Sambalate e Tobias, os arábios, os amonitas e os asdoditas que a reparação dos muros de Jerusalém ia avante e que já se começavam a fechar-lhe as brechas, ficaram sobremodo irados. Ajuntaram-se todos de comum acordo para virem atacar Jerusalém e suscitar confusão ali. Porém nós oramos ao nosso Deus e, como proteção, pusemos guarda contra eles, de dia e de noite. Então, disse Judá: Já desfaleceram as forças dos carregadores, e os escombros são muitos; de maneira que não podemos edificar o muro. Disseram, porém, os nossos inimigos: Nada saberão disto, nem verão, até que entremos no meio deles e os matemos; assim, faremos cessar a obra. Quando os judeus que habitavam na vizinhança deles, dez vezes, nos disseram: De todos os lugares onde moram, subirão contra nós, então, pus o povo, por famílias, nos lugares baixos e abertos, por detrás do muro, com as suas espadas, e as suas lanças, e os seus arcos; inspecionei, dispus-me e disse aos nobres, aos magistrados e ao resto do povo: não os temais; lembrai-vos do Senhor, grande e temível, e pelejai pelos vossos irmãos, vossos filhos, vossas filhas, vossa mulher e vossa casa. E sucedeu que, ouvindo os nossos inimigos que já o sabíamos e que Deus tinha frustrado o desígnio deles, voltamos todos nós ao muro, cada um à sua obra. Daquele dia em diante, metade dos meus moços trabalhava na obra, e a outra metade empunhava lanças, escudos, arcos e couraças; e os chefes estavam por detrás de toda a casa de Judá; os carregadores, que por si mesmos tomavam as cargas, cada um com uma das mãos fazia a obra e com a outra segurava a arma. Os edificadores, cada um trazia a sua espada à cinta, e assim edificavam; o que tocava a trombeta estava junto de mim. Disse eu aos nobres, aos magistrados e ao resto do povo: Grande e extensa é a obra, e nós estamos no muro mui separados, longe uns dos outros. No lugar em que ouvirdes o som da trombeta, para ali acorrei a ter conosco; o nosso Deus pelejará por nós. Assim trabalhávamos na obra; e metade empunhava as lanças desde o raiar do dia até ao sair das estrelas. (Neemias 4:6-21)
Não ignore as ameaças
De certa forma, Neemias viveu um momento parecido com o atual. Ele estava liderando a reconstrução dos muros da cidade de Jerusalém, que vivia sob o domínio do Império Persa. A obra tinha êxito e significaria o fortalecimento dos judeus. Isso irritou aos povos vizinhos que, liderados por Sambalate e Tobias, começaram a ameaçar a Israel. Era de conhecimento público que eles:

- Ajuntaram-se para discutir o assunto;
- Resolveram atacar a Jerusalém;
- Queriam causar confusão;
- Pretendiam entrar no meio do povo e matar pessoas;
- Estavam preparados para "subir de todos os lugares" em uma ação militar organizada.

O objetivo era claro: interromper a obra. Era uma forma de exercer o poder por meio da violência e do terror, à margem da lei, já que Neemias era o governador e tinha autorização real para reedificar os muros de Jerusalém. E Neemias não foi ingênuo. Não pensou que as histórias eram exageradas. Não ignorou os boatos. Ele tomou providências para resolver o problema.

Para nós, que vivemos 2500 anos depois de Neemias, a reconstrução de Jerusalém é um símbolo da restauração da criação divina e da vinda do Reino de Deus. Neemias é um tipo de Cristo, e debaixo das ordens de Jesus, os cristãos estão restaurando não apenas o Templo (a Igreja), mas a Cidade (o mundo). Somos chamados a tomar parte nesta obra. E, de fato, a influência judaico-cristã sobre a sociedade atual não pode ser negada. O Ocidente é filho da Igreja, quer gostemos, quer não. Ainda há muito paganismo e idolatria, mas veja: a nossa "Jerusalém" continua inacabada, com brechas nos muros e cheia de coisas por fazer. Gradualmente, porém, os muros são levantados e a cidade é renovada.

E, da mesma forma que naquela época, há ódio e oposição a esta obra. Qualquer avanço em Jerusalém é suficiente para mobilizar vários inimigos, e os terroristas muçulmanos estão entre eles. Assim como Sambalate e Tobias eram os porta-vozes daquele ódio, hoje há quem vocalize, organize e realize ataques violentos, não apenas contra o Templo, mas contra a Cidade. Não podemos ignorar essas ameaças.

Ore e pregue
O que Neemias fez quando estava diante das ameaças? Ele orou. Ele não fez isso sozinho, pois o texto afirma que "nós oramos ao nosso Deus". Antes de tomar providências "materiais", Neemias reuniu pessoas e levou o problema ao Senhor. Provavelmente ele convocou todos os que participavam da obra para orarem a este respeito.

Neemias não ficou apenas aí: ele também reuniu todo o povo, dos nobres até os mais simples, e pregou a eles. Ele ordenou ao povo: "lembrai-vos do Senhor, grande e temível". Embora o povo fosse receber orientações de guerra e estivesse armado, a confiança de Neemias estava em Deus, e não nos homens. E ele procurou fazer com que Israel se lembrasse dos atos de Deus, se recordasse que o Senhor é maior que os inimigos e que Ele também estava naquela obra. A vitória viria de Deus, e não da carne humana.

Hoje nós oramos e "pregamos" muito pouco. As convocações públicas de oração são muito raras e pouco atendidas, pelo menos nas igrejas evangélicas tradicionais. Há igrejas que não marcam mais reuniões de oração. No Brasil, não se tem a visão de que a congregação inteira deveria unir-se em oração por alguns motivos que são comuns a todos. Os poucos chamados coletivos à oração são formais e frios, e raramente vemos os nossos líderes pessoalmente envolvidos na mobilização do povo.

Da mesma maneira, quantas vezes não lutamos e reconstruímos Jerusalém sem uma palavra orientadora de Cristo? Lamentavelmente, muitos divorciaram a fé da vida cotidiana, e acham que o Jerusalém é apenas o Templo, esquecendo-se que o Reino de Deus não é apenas eclesiástico, mas envolve todas as coisas. O nosso sucesso, inclusive político, depende de Deus. É n'Ele que devemos esperar, é dos atos d'Ele que devemos nos recordar e é Ele quem nos dará vitória, não apenas contra terroristas muçulmanos, mas contra ativistas ateus e seculares que querem impedir que o reino de Deus saia do Templo e transforme a cidade.

Empunhe as armas
Por fim, é preciso lembrar que a luta não é apenas espiritual, mas também se dá no mundo "físico", material. Embora a nossa luta não seja contra carne ou sangue, mas sim contra os poderes espirituais (Efésios 6:12), precisamos sim estar alertas para nos defender fisicamente em caso de agressões. Individualmente, somos chamados a dar a outra face (Lucas 6:29), mas Deus providenciou, por meio do Estado, um meio de defesa contra os que praticam o mal:
Porque os magistrados não são para temor, quando se faz o bem, e sim quando se faz o mal. Queres tu não temer a autoridade? Faze o bem e terás louvor dela, visto que a autoridade é ministro de Deus para teu bem. Entretanto, se fizeres o mal, teme; porque não é sem motivo que ela traz a espada; pois é ministro de Deus, vingador, para castigar o que pratica o mal. (Romanos 13:3-4)
O Estado não é sujeito apenas ao povo, ele está sujeito a Deus, que Reina sobre tudo, quer gostemos, quer não. E, na qualidade de ministro de Deus, o dever do Estado é castigar os que fazem o mal, é o de exercer a vingança, nem que para isso seja necessário fazer uso da espada.

O que isso significa? Significa que estão errados os que querem retirar a "espada" das mãos das Forças Armadas e dos policiais. No que diz respeito à defesa nacional e à manutenção da ordem, o Estado deve ser forte e deve usar suas armas para proteger os bons e punir os maus. Os mortos devem ser vingados: precisamos recuperar o ensino do Novo Testamento de que o Estado é um vingador. A Bíblia não dá ao Estado um papel regenerador, mas sim punitivo.

E se o Estado falha em seu papel? Creio que devemos fazer o que Neemias instruiu os israelitas a fazerem: com uma mão eu faço a obra e com a outra eu seguro a espada. Os cristãos precisam entender que é necessário estarmos preparados para nos defender. Como?

- Incentivando os cristãos a serem policiais e integrantes das Forças Armadas. O pacifismo não é bíblico;
- Defendendo o direito de cada um portar armas para a sua defesa, com responsabilidade;
- Votando em quem defenda que o Estado cumpra seu papel bíblico e promulgue leis que protejam os bons e punam os maus;
- Aprendendo a se defender, não apenas militarmente, mas intelectualmente. Precisamos aprender a nos defender em debates, na mídia, nas redes sociais e onde quer que surjam os Tobias e Sambalates que querem interromper a reconstrução de Jerusalém.

E a outra face?
Quanto ao texto de Jesus, é preciso que nos lembremos de alguns fatos, para não cometermos erros de interpretação bíblica.

Em primeiro lugar, a Bíblia toda é igualmente inspirada, inclusive o Antigo Testamento. Sim, há mandamentos que foram revogados no Novo. Mas há um ensino por trás de tudo o que está lá, inclusive de textos como o de Neemias. Não podemos ignorar também o ensino de Romanos 13, que é tão autoritativo para nós quanto o Sermão do Monte.
Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra. (2 Timóteo 3:16-17)
Em segundo lugar, o ensino de Jesus no Sermão do Monte é aplicado a situações individuais. Quando alguém me agride fisicamente, devo dar a outra face, perdoar, amar o meu inimigo. É diferente de um método organizado e sistemático de destruição do povo de Deus. Não se pode ignorar o contexto do mandamento para extrapolá-lo e aplicá-lo a toda a sociedade, inclusive ao Estado. Se os cristãos não tivessem pegado em armas para lutar na Batalha de Poitiers, a Europa seria toda islâmica hoje e o cristianismo talvez tivesse desaparecido. Luteranos, calvinistas e até os seguidores de Zwinglio pegaram em armas para lutar pelo direito de viverem a sua fé.

Por fim, o próprio Jesus dá margem ao direito de defesa em Lucas 22:35-38.
A seguir, Jesus lhes perguntou: Quando vos mandei sem bolsa, sem alforje e sem sandálias, faltou-vos, porventura, alguma coisa? Nada, disseram eles. Então, lhes disse: Agora, porém, quem tem bolsa, tome-a, como também o alforje; e o que não tem espada, venda a sua capa e compre uma. Pois vos digo que importa que se cumpra em mim o que está escrito: Ele foi contado com os malfeitores. Porque o que a mim se refere está sendo cumprido. Então, lhe disseram: Senhor, eis aqui duas espadas! Respondeu-lhes: Basta!
Acima, o Senhor manda aos discípulos que comprem espadas. Quando Jesus, mais tarde, impede a Pedro de usá-la contra os soldados, é porque o destino do Senhor era o de morrer na cruz. Clicando aqui, você vê uma ótima explicação dessa passagem. Contudo, em outro contexto, o próprio Senhor lutará e matará todos aqueles que se levantarem contra Ele:
Com efeito, o mistério da iniqüidade já opera e aguarda somente que seja afastado aquele que agora o detém; então, será, de fato, revelado o iníquo, a quem o Senhor Jesus matará com o sopro de sua boca e o destruirá pela manifestação de sua vinda. (2 Tessalonicenses 2:7-8)
 Vi o céu aberto, e eis um cavalo branco. O seu cavaleiro se chama Fiel e Verdadeiro e julga e peleja com justiça. Os seus olhos são chama de fogo; na sua cabeça, há muitos diademas; tem um nome escrito que ninguém conhece, senão ele mesmo. Está vestido com um manto tinto de sangue, e o seu nome se chama o Verbo de Deus; e seguiam-no os exércitos que há no céu, montando cavalos brancos, com vestiduras de linho finíssimo, branco e puro. Sai da sua boca uma espada afiada, para com ela ferir as nações; e ele mesmo as regerá com cetro de ferro e, pessoalmente, pisa o lagar do vinho do furor da ira do Deus Todo-Poderoso. Tem no seu manto e na sua coxa um nome inscrito: REI DOS REIS E SENHOR DOS SENHORES. (Apocalipse 19:12-16)
Cada soldado pode lutar em paz, porque Jesus também lutará em uma guerra. Quando um soldado ou policial precisa matar a um malfeitor em seu ofício, por causa da justiça, pode fazê-lo sabendo que o Senhor Jesus também fará o mesmo, pelo mesmo motivo. Se o mandamento do Sermão do Monte fosse algo que pudesse ser extrapolado para todas as situações, o próprio Jesus não seria retratado como o Cavaleiro Vencedor. Da mesma forma, quando agindo corretamente, debaixo da Lei de Deus, também nós não precisamos nos envergonhar de lutar para nos defender, da mesma forma que Neemias estava preparado para fazer.

Lembro que a resposta cristã não é, porém, a de impor o Reino de Deus pela violência. Nós nos defendemos, se necessário. No passado, lutamos contra os inimigos que queriam nos impedir de adorar ao Senhor e de trabalharmos pelo Seu Reino. Devemos fazer isso, de novo, se necessário. Quanto ao mais, no tempo do fim, o próprio Senhor se encarregará dos reinos e nações que se levantarem contra Ele e a sua Igreja. Até lá, preguemos e nos defendamos, como o Senhor nos ordena a fazer na Bíblia.

Graça e paz do Senhor,

Helder Nozima
Barro nas mãos do Oleiro

04 dezembro 2014

Jesus: filho de Josafá e de Acabe

Era Jeorão da idade de trinta e dois anos quando começou a reinar e reinou oito anos em Jerusalém. Andou nos caminhos dos reis de Israel, como também fizeram os da casa de Acabe, porque a filha deste era sua mulher; e fez o que era mau perante o SENHOR. Porém o SENHOR não quis destruir a casa de Davi por causa da aliança que com ele fizera, segundo a promessa que lhe havia feito de dar a ele, sempre, uma lâmpada e a seus filhos. (2 Crônicas 21:5-7)
Livro da genealogia de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão.(...)Asa gerou a Josafá; Josafá, a Jorão; Jorão, a Uzias (Mateus 1:1,8)
Quando olhamos para o Brasil, parece que ter uma "ficha limpa" não tem mais nenhuma importância. Basta olhar para os modelos que temos hoje. Políticos corruptos, ladrões de dinheiro público, sabidamente infiéis a suas mulheres e que já provaram a sua incompetência como administradores são eleitos e ocupam papel de destaque no Governo. Casamentos de artistas ou empresários fracassam e a mídia parece glorificar a separação, celebrando o "retorno" de certas pessoas ao "mercado" de relacionamentos. Séries de TV (sim, não são só as novelas), filmes, jogos e, vá lá, novelas, nos ensinam que a verdadeira vida não está na virtude ou na pureza, mas sim na sensualidade, no prazer e nas vantagens que esse mundo oferece. Errar não é mais "algo que acontece", tornou-se o novo padrão dos dias de hoje.

Seria essa inversão uma novidade do século XXI? Infelizmente, não: momentos como o atual se repetem ao longo da História há milhares de anos. Era isso o que acontecia no reino de Judá, lá pelo século IX antes de Cristo, quando Jeorão tornou-se rei dos judeus. Pior: essa inversão começou no reinado de seu pai, Josafá, um rei que serviu e honrou a Deus.

Pecado e silêncio
Quando Josafá era rei, ele resolveu aliar-se a Acabe, que reinava sobre Israel (nesse tempo, o povo israelita estava dividido em dois reinos: Israel e Judá). Enquanto Josafá era um homem fiel a Deus e tinha uma conduta exemplar, Acabe parecia ser o seu oposto.  Ele era idólatra, corrupto e assassino. A Bíblia nos fala que não houve nenhum rei que se vendeu tanto para fazer o que desagrada ao Senhor como Acabe. E Israel acabou seguindo o exemplo de seu rei. Tornou-se um país cheio de pecados, imoralidades e violência.

Lendo a Bíblia, vemos que Josafá nunca confrontou os pecados de seu amigo Acabe. Embora os profetas do Senhor condenassem e apontassem os pecados de Acabe, Josafá se calou e fez aliança. E essa proximidade com Acabe, aliada ao silêncio de Josafá, permitiram que a corte do reino de Judá passasse a ser influenciada pelo modelo israelita. O encanto chegou ao ápice quando Jeorão, filho de Josafá, casou-se com uma filha de Acabe. Após a morte de Josafá, a inversão de padrões se consolidou. Jeorão não andou mais nos caminhos do seu pai, mas sim nos caminhos de seu sogro. O modelo não era mais o piedoso Josafá, mas sim o pervertido Acabe.

O verdadeiro problema não é a amizade, mas sim o silêncio. Pode até ser que a resposta socialmente correta ao pecado seja o silêncio respeitoso, mas essa não é a resposta bíblica. Proximidade mais silêncio é igual a inversão de valores. Quando nossos amigos são infiéis, ladrões e violentos, e isso não é confrontado, o pecado se torna o modelo. Quando nossos filhos são rebeldes e grosseiros, e não os corrigimos, eles aprendem que a grosseria é a norma. Até dentro do casamento o erro deve ser confrontado, em amor. E, claro, também devemos dar espaço para que os nossos erros sejam também questionados e condenados por quem está ao nosso redor. Caso contrário, o pecado dominará todas as coisas.

Diante do erro, o silêncio não é uma opção.

Tolerância e condenação
Mas nossa sociedade vive uma grande contradição. Ao mesmo tempo em que o erro é colocado como modelo, muitos dos que erram sentem uma culpa insuperável. Há uma preocupação enorme em não mostrar falhas ou fraquezas, em se manter as aparências e esconder fragilidades. Mesmo quando o nosso erro é socialmente aceitável, há vergonha em admiti-lo. E ainda há uma grande hipocrisia social: o erro dos famosos é celebrado, mas quando pessoas comuns fazem o mesmo, há várias pessoas para xingar, agredir e condenar. E isso acontece até em nossas igrejas: o erro do filho adolescente do presbítero é diferente do erro do adolescente que não tem pai na igreja.

Na verdade, o quadro é ainda pior. Para alguns erros, não há redenção. Vivemos em uma sociedade que é, ao mesmo tempo, extremamente tolerante com o pecado, mas que considera que os usuários de drogas pesadas não podem mudar. Uma sociedade que ri de quem confessa ter tido relações sexuais com animais, mas condena para sempre quem confessa ter tido relações homossexuais. Que exalta o homem que se deita com várias mulheres, mas diz que as mulheres que se deitaram com várias homens não merecem casar. A tolerância com o erro não significa uma sociedade mais aberta para o recomeço.

Cristo: redentor de todos os homens
E é nessa hora que precismos olhar para Jesus. Jeorão/Jorão foi listado como um ancestral de Jesus. Por meio do casamento de Jorão com uma filha do rei Acabe, o sangue do pior rei de Israel passou a fazer parte da linhagem humana do homem mais puro, santo e perfeito que já existiu. E por que as coisas foram assim: Porque Jesus está aberto para todos os pecadores.

Ser pai de um grande atleta ou de um heroi é um grande privilégio. Logo, poucos privilégios são maiores do que o de ser antepassado de Cristo, segundo a sua humanidade. E nos surpreendemos quando vemos que a linhagem do Messias não é formada apenas de homens santos que não erram ou erram só um pouquinho. Mesmo grandes pecadores, gente que cometeu erros terríveis e irreversíveis, pessoas que prejudicaram uma nação inteira...mesmo esses receberam tal privilégio. E há um motivo para isso.

Quando o Senhor permitiu que o sangue de Acabe entrasse na genealogia de Jesus, Ele mostrou que todos, sem distinção, podem se relacionar com Cristo. Que todos, sem distinção, podem ter parte em Jesus. Não importa o nosso passado, não importa se nossos erros foram tão grandes que levaram um país inteiro ao desespero, todos nós podemos ser privilegiados em Jesus.

Mostrou também que todos são igualmente carentes de Deus, tanto bons como maus. Josafá foi um bom rei, um bom homem, mas cometeu erros graves. Ele fez alianças erradas, evitava o confronto, aproximou-se do pecado, não condenou o erro e permitiu que a corrupção de Israel influenciasse a Judá. De certa maneira, os erros de Jeorão começaram com os erros de seu pai. Na genealogia de Jesus, Josafá e Jeorão são iguais.

Todavia, isso não significa que Acabe ou Jeorão tenham sido salvos. O parentesco não salva, o que salva é a nossa fé no Senhor, que se traduzirá em uma vida transformada. Ter parte em Jesus não é apenas lançar sobre Ele o nosso pecado e a nossa fraqueza humana. Ter parte em Jesus também é receber a vida dele dentro de nós. É deixar que o sangue dele nos purifique de todo pecado. Como está escrito:
Se, porém, andarmos na luz, como ele está na luz, mantemos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado. (1 João 1:7)
Falava ainda Jesus ao povo, e eis que sua mãe e seus irmãos estavam do lado de fora, procurando falar-lhe. E alguém lhe disse: Tua mãe e teus irmãos estão lá fora e querem falar-te.Porém ele respondeu ao que lhe trouxera o aviso: Quem é minha mãe e quem são meus irmãos? E, estendendo a mão para os discípulos, disse: Eis minha mãe e meus irmãos.Porque qualquer que fizer a vontade de meu Pai celeste, esse é meu irmão, irmã e mãe. (Mateus 12:47-50)
Pela fé em Cristo, eu e você, por piores que sejamos, podemos entrar na genealogia de Jesus. Se formos discípulos de Cristo, se nos entregarmos a Ele, se deixarmos que Jesus seja o Senhor, o Dono, o Chefe Supremo de nossa vida, então seremos mães, irmãos e irmãs do Senhor. Se deixarmos o erro para trás e crermos que Ele nos dá o perdão que a nossa sociedade não dá, aí então nossas vidas serão transformadas.

Graça e paz do Senhor,

Helder Nozima
Barro nas mãos do Oleiro