25 janeiro 2008

A igreja do "eu" sozinho

Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos
admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima (Hb 10:25)

Conviver com outras pessoas, de fato, é uma arte. Afinal, ninguém pensa exatamente da mesma forma que nós. Os gostos e preferências das pessoas são tão diferentes que um ditado popular afirma “gosto não se discute”. E, nem sempre, estamos dispostos a ceder. A chance de tudo dar errado e começarmos a brigar e nos magoarmos com as outras pessoas é muito grande.

No entanto, Deus nos criou para que vivêssemos em sociedade. Como Ele mesmo disse sobre Adão, “não é bom que o homem esteja só” (Gn 2:18). Paulo vai além, ao afirmar que “No Senhor, nem a mulher é independente do homem, nem o homem, independente da mulher” (1 Co 11:11). Na verdade, nenhum ser humano é independente dos demais. Todos nós precisamos e dependemos uns dos outros.

Isso também é válido dentro das igrejas. Se olharmos para a Bíblia, veremos que Deus está sempre interessado que os seus filhos vivam em uma comunidade. Deus lidou com o homem Abraão, mas com o objetivo de formar uma grande nação que abençoasse todas as famílias da terra (Gn 12:2-3). Moisés foi enviado com a missão de tirar o povo de Israel do Egito (Ex 3:10). Quando o profeta Elias se imaginava o último servo de Deus, o Senhor o lembrou que ainda haviam servos fiéis (1 Rs 19:18) e lhe mandou Eliseu como companhia (1 Rs 19:16).

Até mesmo Cristo nunca esteve só. Jesus condenava o judaísmo de seus dias, mas tinha o costume de ir à sinagoga (Lc 4:16). Jesus não trabalhava sozinho, mas reuniu um grupo de doze apóstolos e outro de setenta discípulos que o acompanhavam. Na maior parte do tempo, Jesus estava acompanhado. E Cristo não veio morrer apenas para salvar pessoas, Ele veio para salvar um povo para Deus (Lc 1:68-75).

Congregar em uma igreja é difícil, assim como também é difícil casar, estudar em uma turma com outras pessoas ou trabalhar em equipe. Mas a vontade de Deus para os seus filhos é que eles vivam juntos, assim como nossos pais gostam ou gostariam de nos ver junto de nossos irmãos.
E, se viver em sociedade é difícil, no fundo nós sabemos que ninguém consegue viver só. E isso também é verdade nas questões espirituais. Por estas razões, sigamos o mandamento e não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns.

Um comentário:

Daniel. disse...

Excelente. Muita gente precisa ler esse tipo de coisa. Não. Muita gente precisa entender esse tipo de coisa.