18 janeiro 2008

Ser feliz ou ter razão?

À vista disso, muitos dos seus discípulos o abandonaram e já não andavam
com ele. (João 6:66)

Um dos novos "dilemas" da sociedade é: se você tivesse que escolher entre ser feliz ou ter razão, qual seria a sua escolha? De um lado, aqueles que buscam a felicidade acima de tudo, mesmo que isso implique em relativizar uma verdade. Afinal, o que importa é ter o menor número possível de atritos e desfrutarmos de relacionamentos felizes. Do outro lado estão os que acreditam em uma verdade e a defendem, mesmo que isso signifique ser malvisto pelas pessoas. A verdade está acima de tudo, inclusive da nossa felicidade.

Qual deve ser a nossa escolha? A mesma que foi feita por Jesus. A verdade precisa ser defendida, mesmo que isso nos custe a rejeição de nossos ouvintes, amigos e até mesmo da nossa família.

E até nisso Cristo é nosso exemplo. Em João 6, Cristo fez a multiplicação dos pães e quase foi aclamado rei pela multidão (Jo 6:15). Mas, no outro dia, Jesus fez um discurso muito impopular. Disse à multidão que eles deveriam procurar o pão que dá vida, e que Ele mesmo era esse pão (Jo 6:41). Que os judeus deveriam se alimentar desse pão (Jo 6:52). Quando Jesus disse que ninguém poderia ir até Ele, se isso não fosse concedido pelo Pai, então ele foi abandonado por seus ouvintes e por muitos discípulos (Jo 6:65).

Se Jesus tivesse escolhido ser feliz, Ele não teria falado a verdade até ser abandonado pelas pessoas. Se Jesus preferisse ser feliz, Ele teria percebido as reações da multidão e teria se contido. Ao invés de ser rejeitado, Cristo teria aceito quando os judeus quiseram fazer dele um rei.

Mas Jesus enfrentou a rejeição e a incredulidade até mesmo dentro de casa. Em João 7:5, é dito que os irmãos de Jesus não criam nele. Em Marcos 3:21, ficamos sabendo que os parentes de Jesus chegaram a pensar em prendê-lo, achando que Ele estava fora de si. Mas isso não impediu a Cristo de falar a verdade.

Por que Cristo agia assim? Não seria mais racional se Ele fosse mais flexível? Na verdade, Cristo agia deste modo porque a felicidade eterna só pode ser obtida por meio da verdade. A vida eterna só está disponível àqueles que aceitam as verdades de Cristo e se submetem à Sua vontade.

Quem não aceita que Cristo tem razão pode até ser feliz, mas esta felicidade é temporária. Uma felicidade construída em cima de mentiras não dura. Mas, para aqueles que preferem ter razão ao lado de Jesus, a felicidade eterna será uma realidade. Ela pode demorar a chegar, mas, com certeza, chegará.

Um comentário:

Daniel. disse...

Com o passar dos anos, a gente vai vendo como é cada vez mais tentador ceder e procurar a felicidade. É bom quando acontece alguma coisa pra nos lembrar que a verdade vem na frente.