11 novembro 2008

"Crente pode ficar triste?"

Na minha visão, a tristeza é um dos tabus que encontramos dentro da Igreja. Não é difícil encontrar quem pense que depressão é sempre um sinônimo de algum pecado ou problema de ordem espiritual. Ou então ser censurado quando você diz que está triste ou teve um dia ruim.

Por outro lado, as pessoas que parecem sempre estar bem são muito elogiadas. Um testemunho comum é o dos crentes que dizem ter evangelizado outras pessoas porque elas sempre estavam alegres. Por causa de tanta alegria, os não crentes se aproximaram e perguntaram porque elas sempre estavam bem.

Por causa disso, muitos crentes até sentem receio de admitirem que estão tristes ou deprimidos por alguma razão. E aí vem a pergunta: crente pode ficar triste?

Para responder a essa pergunta, gostaria de colocar alguns versículos:
No dia da minha angústia, procuro o Senhor; erguem-se as minhas mãos durante a noite e não se cansam; a minha alma recusa consolar-se. Lembro-me de Deus e passo a gemer; medito, e me desfalece o espírito. Não me deixas pregar os olhos, tão perturbado estou, que nem posso falar. (Salmo 77:2-4)

Então, disse eu: já pereceu a minha glória, como também a minha esperança no SENHOR. lembra-te da minha aflição e do meu pranto, do absinto e do veneno. Minha alma, continuamente os recorda e se abate dentro de mim. (Lamentações 3:18-20)

jesus, vendo-a chorar, e bem assim os judeus que a acompanhavam, agitou-se no espírito e comoveu-se. E perguntou: Onde o sepultastes? Eles lhe responderam: Senhor, vem e vê! Jesus chorou. (João 11:33-35)

E, levando consigo Pedro, Tiago e João, começou a sentir-se tomado de pavor e de angústia. E lhes disse: A minha alma está profundamente triste até à morte; ficai aqui e vigiai. (Marcos 14:33-34)
Tanto no Antigo como no Novo Testamento, vemos homens de Deus que ficaram tristes. A alma de Jesus chegou a ser tomada de angústia e pavor antes da crucificação, e Cristo não pecou. Não é pecado se sentir desanimado ou triste em um dia ou em uma fase ruim.

Claro que isso não significa que podemos nos entregar à murmuração, ao desespero, à depressão e à tristeza profunda. Essas não são as formas bíblicas de se resolver um problema. A alegria é um fruto do Espírito Santo (Gálatas 5:22). E, se algo nos angustia:
Está alguém entre vós sofrendo? Faça oração. (Tiago 5:13a)

Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus. (Filipenses 4:6-7)
Uma última palavra: existe sim depressão por razões físicas. E aí, temos sim que procurar um médico. Não é pecado tomar antidepressivo. Se o fosse, também é pecado tomar aspirina para curar uma dor de cabeça. Não há diferença.

E...busque os amigos. Jesus buscou a ajuda dos apóstolos quando se sentiu angustiado. Mas, mesmo que seus amigos falhem com você na hora da tristeza, como os apóstolos falharam (e os amigos de Jó também), ore. O seu amigo Jesus Cristo, com toda certeza, não vai te deixar sozinho.

08 novembro 2008

"Mas Deus é um só"

Crês, tu, que Deus é um só? Fazes bem. Até os demônios crêem e tremem. (Tiago 2:19)
Existe um mistério lógico usado por pessoas quando falam de religião que eu não consigo resolver ou entender. Não é muito difícil encontrar pessoas que admitem que Deus é um só. Mas, logo a seguir, elas deduzem, não sei como, que "se Deus é um só, então todas as religiões são válidas" ou que "todos os caminhos levam a Deus".

Na verdade, é muito mais lógico pensar que, se Deus é um só, apenas um caminho ou uma única religião são válidas. Aliás, era nisso o que Jesus acreditava:
Quem não é por mim é contra mim; e quem comigo não ajunta espalha" (Mateus 12:30)

Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim. (João 14:6)
Aliás, de uma forma geral, esse é o ensino da Bíblia: Deus é um só, e Ele não abriu caminho para outras possibilidades:
Vós sois as minhas testemunhas, diz o SENHOR, o meu servo a quem escolhi; para que o saibais, e me creiais, e entendais que sou eu mesmo, e que antes de mim deus nenhum se formou, e depois de mim nenhum haverá. Eu, eu sou o SENHOR, e fora de mim não há salvador. Eu anunciei salvação, realizei-a e a fiz ouvir; deus estranho não houve entre vós, pois vós sois as minhas testemunhas, diz o SENHOR; eu sou Deus. (Isaías 43:10-12)

"Vê que proponho, hoje, a vida e o bem, a morte e o mal; se guardares o mandamento que hoje te ordeno, que ames o SENHOR, teu Deus, andes nos seus caminhos, e guardes os seus mandamentos, e os seus estatutos, e os seus juízos, então, viverás e te multiplicarás, e o SENHOR, teu Deus, te abençoará na terra à qual passas para possuí-la. Porém, se o teu coração se desviar, e não quiseres dar ouvidos, e fores seduzido, e te inclinares a outros deuses, e os servires, então, hoje, te declaro que, certamente, perecerás; não permanecerás longo tempo na terra à qual vais, passando o Jordão, para a possuíres. (Deuteronômio 30:15-18)

Eu sou o SENHOR, este é o meu nome; a minha glória, pois, não a darei a outrem, nem a minha honra, às imagens de escultura. (Isaías 42:8)
Na verdade, a conseqüência bíblica e lógica do monoteísmo, da crença em um único Deus, é essa: só existe um único caminho, uma única religião verdadeira, uma forma certa de se buscar e adorar a Deus.

Até porque, se Deus é um, e criou várias formas, várias religiões, vários caminhos até Ele, é de se perguntar algumas coisas:

1) Por que os caminhos são, muitas vezes, contraditórios? Enquanto o hinduísmo e o espiritismo ensinam a crença em vidas passadas e reencarnações, o cristianismo ensina que as pessoas morrem uma vez só: "E assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disso, o juízo" (Hebreus 9:27). Por que o islamismo tem repulsa pela idéia de vários deuses e o hinduísmo tem mais de um milhão de divindades? Se Deus é um só, por que Ele não nos dá um caminho confiável, mas uma série de opções que se condenam e que não são logicamente conciliáveis?

2) Um Deus que apresenta caminhos contraditórios é confiável? Imagine uma pessoa dizendo para você que o caminho da saúde perfeita é uma boa alimentação, livre de excessos; a uma segunda que a saúde perfeita se adquire por meio do descanso e a uma terceira que é por meio do consumo de drogas. A opinião dela é confiável? Qual é, de fato, a melhor forma de ter uma boa saúde? É mais ou menos o que fazemos com Deus. Se todos os caminhos são válidos para Deus, então o caminho da felicidade pode ser a renúncia a qualquer desejo (budismo), a obediência completa a Alá (islamismo) ou o pagamento de dívidas contraídas em vidas passadas e a ida para um plano superior (hinduísmo/espiritismo). Será que esse Deus não é capaz de dizer, de modo simples e claro, o que Ele espera de nós?

Logo, como bem diz a Bíblia, não adianta apenas crer que Deus é um só. Isso até os demônios fazem. É preciso que nós assumamos as implicações lógicas e racionais dessa crença. E isso, mais uma vez, implica em assumir que só há um único caminho que leva até Deus.

06 novembro 2008

"Não gosto de crente, porque eles sempre acham que estão certos e que só eles serão salvos"

Respondeu-lhes Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim" (João 14:6)
Acho que poucas coisas irritam tanto os não-evangélicos do que a convicção de verdade que nós temos. Se dissermos que estamos absolutamente convencidos de que a Bíblia é a Palavra de Deus, que Jesus é o único caminho ou que, com certeza, seremos salvos, é quase certo que seremos identificados como pessoas arrogantes e metidas, e teremos a antipatia da "platéia".

O que talvez as pessoas não entendam é que essa convicção não é, exatamente, uma arrogância dos cristãos. Ela é, antes de tudo, uma marca do discurso de Jesus Cristo.

Ao contrário da imagem que hoje temos de Jesus, Ele não era uma pessoa aberta a ter comunhão religiosa com os pagãos ou com quem não servisse ao Deus de Israel. Você nunca vai encontrar Jesus indo a um templo pagão ou mostrando que outras religiões são caminhos que levam a Deus. Muito pelo contrário, como lemos anteriormente, segundo Jesus, "ninguém vem ao Pai senão por mim". Todos os outros caminhos e opções estão excluídas.

Em outras passagens Jesus diz exatamente a mesma coisa: o caminho certo até Deus é Jesus, e nada mais:
Quem é de Deus ouve as palavras de Deus; por isso, não me dais ouvidos, porque não sois de Deus. (João 8:47)

Por isso, eu vos disse que morrereis nos vossos pecados; porque, se não crerdes que EU SOU, morrereis nos vossos pecados. (João 8:24)

Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes o seu sangue, não tendes vida em vós mesmos. (João 6:53)

Porquanto Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem nele crê não é julgado; o que não crê já está julgado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus. (João 3:17-18)
O que todos estes textos têm em comum? Uma convicção inabalável de Jesus: os que ouvem a minha voz são de Deus e os que crêem em Cristo não são julgados. Por outro lado, quem não ouve a Cristo não é de Deus, os que não crêem em Cristo morrem em seus pecados e estão julgados, quem não comer e beber a carne e o sangue de Cristo não tem vida em si mesmo.

Se nós, cristãos, dissermos a outros que não temos certeza de que estamos no caminho certo e sobre a nossa salvação, então pecamos, porque estamos pondo em dúvida as palavras de Jesus. Se somos cristãos e chamamos a Cristo de Deus, então, nada mais natural do que acreditarmos no que Ele diz, e termos plena convicção sobre o nosso estado...e sobre o estado dos que se recusam a aceitar a Cristo.

Por outro lado, de duas uma: ou Cristo diz a verdade...e é Deus...ou ele é um mentiroso megalomaníaco, e não deveria ser apontado por minguém como um exemplo de moral. A escolha é de cada um de nós.

Mas, mesmo que você não seja um cristão, pelo menos entenda as implicações lógicas assumidas por aqueles que decidiram acreditar nas palavras de Jesus. O exclusivismo e a convicção de verdade e salvação não são opcionais. Para quem leva Jesus a sério, são valores dos quais não podemos abrir mão.

Use a sua TV para evangelizar

De hoje (dia 6) até sábado (dia 8), às 21 horas, na Rede Bandeirantes, a Associação Evangelística Billy Graham vai transmitir 3 programas evangelísticos de TV. Hoje e amanhã os programas são de 30 minutos. No sábado, vai ser um filme de 90 minutos.

Hoje quem vai pregar é o Billy Graham, com testemunho do Kaká. Amanhã vai ser o Franklin Graham. E vai ter umas músicas da Aline Barros e de outras pessoas.

Para quem é tímido, é uma ótima oportunidade. Convide seus amigos que não conhecem a Cristo a assistirem o programa "Minha Esperança". Depois, se coloque à disposição para conversar sobre Jesus, se seus amigos quiserem. Ou, faça como as igrejas do projeto, chame parentes, amigos e chegados para assistirem o programa com você em sua casa. Assim, fica mais fácil conversar depois.

Há alguns presbiterianos criticando a iniciativa, porque Billy Graham é arminiano (não crê em predestinação como os calvinistas) e pragmático. Também porque ele costuma fazer um arco de alianças bem amplo (o vídeo de divulgação do Minha Esperança vai desde Casa da Bênção até a IPB).

Mas, sinceramente...isso é um grande reducionismo. Para levar as pessoas a Cristo, não precisamos ensinar predestinação, formas de governo da Igreja e outras doutrinas.

E, quanto ao pragmatismo...tenho certeza que Paulo usaria TV, Internet, rádio...o que pudesse para evangelizar. Afinal:
Fiz-me fraco para com os fracos, com o fim de ganhar os fracos. Fiz-me tudo para com todos, com o fim de, por todos os modos, salvar alguns. Tudo faço por causa do evangelho, com o fim de me tornar cooperador com ele. (1 Co 9:22-23)
É claro que o "todos os modos" e o "tudo" não incluem pecados. Mas, com certeza, incluiria a TV.

Portanto, hoje, amanhã e sábado...é Minha Esperança na sua TV! 21 horas, lá na Band. Assista!

04 novembro 2008

Homens pelo fim da violência contra a mulher

Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela (...) Assim também os maridos devem amar a sua mulher como ao próprio corpo. Quem ama a esposa a si mesmo se ama. Porque ninguém jamais odiou a própria carne; antes, a alimenta e dela cuida, como também Cristo o faz com a igreja; porque somos membros do seu corpo (Ef 5:25, 28-30)
Sobre qualquer ângulo que se analise, a violência contra a mulher é injustificável. Pelo princípio do amor ao próximo, bater na esposa, maltratá-la ou xingá-la são, claramente, pecados. Mas quando lemos os versículos acima, da carta de Paulo aos Efésios, mostram que devemos tratar bem as esposas, cuidando delas com o mesmo amor que cuidamos de nós mesmos.

Por esta razão, quero incentivar os homens leitores desse blog a deixarem uma assinatura virtual no site Homens Pelo Fim da Violência. É uma campanha da Secretaria Especial de Políticas Para As Mulheres em parceria com várias entidades da sociedade civil, para que homens assumam o compromisso de não tolerar mais a violência doméstica no nosso país. Precisamos entender que, quando homens começam a espancar mulheres e a achar que são donos delas, a ponto de cometerem crimes passionais (seqüestros, assassinatos, etc), a briga não é mais "problema de marido e mulher". É problema nosso também, e deve ser denunciado. Além disso, precisamos educar homens, dentro e fora de nossas igrejas, a nunca mais cometerem esse tipo de atrocidade. Assinar o manifesto é assumir esse compromisso.

Vale lembrar, no entanto, que a Bíblia autoriza o uso de disciplina física para a correção de filhos e filhas. Mas sem excessos:
Castiga a teu filho, enquanto há esperança, mas não te excedas a ponto de matá-lo. (Pv 19:18)
Mas, em momento algum, autoriza homens a baterem ou tratarem mal suas esposas. Portanto, envolva-se nessa causa! Assine!