26 agosto 2009

Brasil: terra de Acabes e Nabotes

Sucedeu, depois disto o seguinte: Nabote, o jezreelita, possuía uma vinha ao lado do palácio que Acabe, rei de Samaria, tinha em Jezreel. Disse Acabe a Nabote: Dá-me a tua vinha, para que me sirva de horta, pois está perto, ao lado da minha casa. Dar-te-ei por ela outra, melhor; ou, se for do teu agrado, dar-te-ei em dinheiro o que ela vale. Porém Nabote disse a Acabe: Guarde-me o SENHOR de que eu dê a herança de meus pais. Então, Acabe veio desgostoso e indigando para sua casa, por causa da palavra que Nabote, o jezreelita, lhe falara, quando disse: Não te darei a herança de meus pais. E deitou-se na sua cama, voltou o rosto e não comeu pão.


Porém, vindo Jezabel, sua mulher, ter com ele, lhe disse: Que é isso que tens assim desgostoso o teu espírito e não comes pão? Ele lhe respondeu: Porque falei a Nabote, o jezreelita, e lhe disse: Dá-me a tua vinha por dinheiro; ou, se te apraz, dar-te-ei outra em seu lugar. Porém ele disse: Não te darei a minha vinha. Então, Jezabel, sua mulher, lhe disse: Governas tu, com efeito, sobre Israel? Levanta-te, come, e alegre-se o teu coração; eu te darei a vinha de Nabote, o jezreelita.


Então, escreveu cartas em nome de Acabe, selou-as com o sinete dele e as enviou aos anciãos e aos nobres que havia na sua cidade e habitavam com Nabote. E escreveu nas cartas, dizendo: Apregoai um jejum e trazei Nabote para a frente do povo. Fazei sentar defronte dele dois homens malignos, que testemunhem contra ele, dizendo: Blasfemaste contra Deus e contra o rei. Depois levai-o para fora e apedrejai-o, para que morra. Os homens da sua cidade, os anciãos e os nobres que nela habitavam fizeram como Jezabel lhes ordenara, segundo estava escrito nas cartas que lhes havia mandado. Apregoaram um jejum e trouxeram Nabote para a frente do povo. Então, vieram dois homens malignos, sentaram-se defronte dele e testemunharam contra ele, contra Nabote, perante o povo, dizendo: Nabote blasfemou contra Deus e contra o rei. E o levaram para fora da cidade e o apedrejaram, e morreu. Então, mandaram dizer a Jezabel: Nabote foi apedrejado e morreu.


Tendo Jezabel ouvido que Nabote fora apedrejado e morrera, disse a Acabe: Levanta-te e toma posse da vinha que Nabote, o jezreelita, recusou dar-te por dinheiro; pois Nabote já não vive, mas é morto. Tendo Acabe ouvido que Nabote era morto, levantou-se para descer para a vinha de Nabote, o jezreelita, para tomar posse dela.


Então, veio a palavra do SENHOR a Elias, o tesbita, dizendo: Dispõe-te, desce para encontrar-te com Acabe, rei de Israel, que habita em Samaria; eis que está na vinha de Nabote, aonde desceu para tomar posse dela. Falar-lhe-ás, dizendo: Assim diz o SENHOR: Mataste e, ainda por cima, tomaste a herança? Dir-lhe-ás mais: Assim diz o SENHOR: No lugar em que os cães lamberam o sangue de nabote, cães lamberão o teu sangue, o teu mesmo. Perguntou Acabe a Elias: Já me achaste, inimigo meu? Respondeu ele: Achei-te, porquanto já te vendeste para fazeres o que é mau perante o SENHOR. Eis que trarei o mal sobre ti, arrancarei a tua posteridade e exterminarei de Acabe a todo do sexo masculino, quer escravo, quer livre, em Israel. Farei a tua casa como a casa de Jeroboão, filho de Nebate, e como a casa de Baasa, filho de Aías, por causa da provocação com que me irritaste e fizeste pecar a Israel. Também de Jezabel falou o SENHOR: Os cães devorarão Jezabel dentro dos muros de Jezreel. Quem morrer de Acabe na cidade, os cães o comerão, e quem morrer no campo, as aves do céu o comerão. Ninguém houve, pois, como Acabe, que se vendeu para fazer o que era mau perante o SENHOR, porque Jezabel, sua mulher, o instigava; que fez grandes abominações, seguindo os ídolos, segundo tudo o que fizeram os amorreus, os quais o SENHOR lançou de diante dos filhos de Israel. (1 Reis 21:1-26)
Em um mundo ideal, as lideranças de um país ou de uma instituição são exemplos a serem mostrados para as crianças. Pessoas que deveriam nos inspirar, mostrar o caminho e tomar decisões que beneficiem toda a sua comunidade. Afinal, elas recebem o poder do povo para servi-lo, e, por isso, supõem-se que são dignas e exemplares, modelos para todos nós. Mas não é o que acontece no Brasil.

O que a imprensa noticia é de fazer corar. O presidente da República dá ordem para que senadores de seu partido salvem o presidente do Senado, acusado de vários crimes e irregularidades. Mais: vemos os dois unidos a um outro senador que teve as despesas de uma pensão alimentícia pagos por um lobista de  empreiteira e a um ex-presidente da República, o único cassado por corrupção. A ministra-chefe da Casa Civil é acusada pela ex-secretária da Receita de mandar "apressar as investigações" de irregularidades em empresas do senador a ser salvo, e as fitas que poderiam provar ou não o encontro entre elas já foram apagadas. Fora todas as notícias já corriqueiras: o escândalo das passagens aéreas de deputados, desvios no Bolsa Família e os escândalos, muito mais freqüentes, que acontecem nos Estados e municípios do Brasil.

Dentro das igrejas evangélicas, o cenário não é melhor. Apóstolos de uma igreja muito conhecida foram presos nos Estados Unidos e, ao que me consta, não pediram perdão pelo crime e se fizeram de perseguidos. Agora estão soltos no Brasil. Uma outra igreja, ainda mais conhecida, está sendo acusada pelo Ministério Público, de desviar o dinheiro dos dízimos para fins não lícitos, como uma forma de evitar o pagamento de impostos. Fora os casos já corriqueiros: pastores que, na prática, seguem a Teologia da Prosperidade, pedindo ofertas de 900 reais ou vendendo orações a 7; adultérios; assédio moral contra fiéis; venda de votos em troca de regularização de terrenos ou empregos para os correligionários. Tem até denominação comemorando aniversário e feliz porque o presidente da República discursou no culto de aniversário...não seria melhor se manter longe, quando há tantas suspeitas de corrupção no governo dele?

Dentro e fora da igreja, aqueles que deveriam ser exemplos de moral e conduta, se tornam exemplos sim, do que não devemos fazer quando se trata de ética e moral. E, pior, ao invés de denunciar, de sermos como Elias e confrontarmos o pecado das lideranças, a maioria dos filhos de Deus se cala e aceita tudo como se fosse normal. Assim como nos dias de Acabe e Nabote, em Israel.

Mas o que faz um Acabe?

1) Cobiça. Acabe reinou em Israel entre 874 e 852 antes de Cristo e possuía um palácio em Samaria, além de outras propriedades, como uma residência na agradável planície de Jezreel. Era um homem rico e podia construir hortas, pomares ou jardins em vários outros lugares. Mas encrencou que queria fazer uma horta no lugar onde ficava a vinha de Nabote.

Nabote não queria vender sua vinha. Aquela foi a terra que Deus deu à sua família, onde seus antepassados trabalharam. Ele mesmo era um trabalhador, aparentemente honesto, que era apegado (no bom sentido) à sua propriedade.

Mas Acabe era um homem dominado pela cobiça. Quando Nabote recusou-se a vender, embora o rei fosse homem de várias propriedades, Acabe ficou infeliz e reagiu como uma criança: foi pro quarto, virou-se pra parede e não quis comer! Sem aquela vinha, ele não podia ser feliz! E Acabe não teve pudores em tomar posse dela quando soube da morte de Nabote.

O problema hoje é o mesmo. Um senador, por exemplo, ganha mais de 16 mil reais por mês, fora os benefícios. Salários invejáveis, benefícios idem, mas parece que não é o suficiente para eles. Pastores já têm a honra de serem ministros da Palavra e governantes da igreja de Deus, mas a cobiça os faz querer ser bispos, apóstolos e engordarem alucinadamente suas contas bancárias. Servir ao Senhor já não é suficiente, sem que as cobiças não sejam satisfeitas!

E o mesmo acontece com quase todos. Segundo a Bíblia, se temos comida e vestes, podemos viver uma vida de contentamento:
Tendo sustento e com que nos vestir, estejamos contentes. (1 Timóteo 6:8)
E, mesmo assim, não estamos felizes com a nossa vida...e dizemos que jamais seremos felizes...se não tivermos a mulher do próximo, o carro do próximo, o emprego do próximo...não é à toa que a cobiça, o desejo indevido por aquilo que não é nosso, está na raiz de todo pecado:
Ao contrário, cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz. Então, a cobiça, depois de haver concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, uma vez consumado, gera a morte. (Tiago 1:14-15)
A igreja precisa pregar que, ao contrário do ensino da sociedade, a cobiça é pecaminosa. Devemos aprender a sermos gratos com o que temos e que a felicidade não está no que possuímos, e sim em Deus. Pregar que somente Ele, por meio de Jesus e do Espírito Santo, pode mudar o coração. E que essa mudança é essencial para que os roubos e violências cessem.

2) Hipocrisia. Um coração cheio de cobiça não pode ser parado, nem que para isso ele tenha que sujar as coisas mais puras e santas de uma sociedade. Como disse acima, um rei deveria ser um símbolo de justiça e retidão. Talvez apenas o sacerdote e o culto a Deus devessem ser mais santos. Mas nem isso foi respeitado por Acabe!

Para isso, ele contava com a ajuda de sua esposa, Jezabel. Se existem casamentos em que um ajuda o outro a fazer o bem, o casamento de Acabe e Jezabel parecia perfeito para a prática do mal. Acabe queria o mal e tinha o poder para fazê-lo, mas não tinha coragem. Jezabel não tinha o poder, mas não lhe faltava disposição em cometer pecados e atrocidades. Uma união perfeita, os dois se completavam.

E Jezabel não teve receios em usar o nome de Deus para fazer o mal. Em nome de Acabe, ela tramou o assassinato de Nabote...em um jejum!!! Tudo deveria parecer justo, santo e correto. Primeiro, um jejum para "buscar a vontade de Deus" ou "pedir perdão por um grande pecado" ou alguma outra finalidade "piedosa". Depois, duas testemunhas falsas deveriam acusar Nabote de blasfêmia...contra Deus...e contra o rei. Não bastava acusá-lo de trair a pátria, era preciso acusá-lo de trair a Deus! A justiça secular e a religiosa foram manipuladas, com o consentimento de anciãos e nobres (que se calaram e não questionaram a Jezabel), para condenar um justo!

Hoje acontece o mesmo nas nossas igrejas. Pastores usam o nome de Deus...orações...jejuns...até mesmo a Bíblia...para manipular o povo e relizarem suas cobiças! Hipócritas, que não têm vergonha de sujar e torcer o que há de mais santo...para controlar a vida das pessoas (usando o argumento da autoridade), roubar-lhes dinheiro (indo além dos dízimos, para a venda de amuletos sem poder, golpes como dente de ouro, pedindo que membros vendam casas e bens e doem tudo para a igreja em troca de mais bens!), fazer com que pecados sejam tolerados (como o aborto, a fornicação e o homossexualismo, tão amados por certos pastores) e outras injustiças! Pessoas estão sendo exploradas, material, emocional e espiritualmente em nome de Jesus!

Na sociedade acontece o mesmo. Os homens que são responsáveis pela elaboração das leis, usam as leis em benefício próprio e não aprovam leis justas. Usam o seu poder de legislar, a estrutura do Governo e até mesmo compram sentenças em tribunais para explorarem o povo. Corrompem o que há de mais sagrado no Estado para fazerem o mal.

Nós, cristãos, precisamos parar de ser hipócritas. Devemos parar de chamar de "irmãos" esses pastores e líderes, que são lobos disfarçados. Precisamos parar de pedir a bênção e o favor de líderes que usam o Governo para se perpetuarem no poder e realizar suas cobiças malignas. Esses não só nossos amigos, são Acabes que devemos confrontar.

Mas, para isso, é preciso lutarmos contra a hipocrisia nossa de cada dia. Nos esforçarmos para viver uma vida correta, sem roubar os outros, buscando respeitar as leis e vivendo, de verdade, o Evangelho que dizemos acreditar.

3) Violência.
A hipocrisia é filha da cobiça, mas tem uma outra irmã, chamada violência. Quando a cobiça quer algo, ela se vale da violência para alcançar o que ela deseja. Nem que para isso vidas humanas tenham que ser destruídas.

A cobiça de Acabe levou a morte de um homem inocente e a um roubo. Aquilo que Nabote não quis vender, custou a vida dele e foi tomado à força. E é isso que a cobiça faz: toma à força, com violência, aquilo que ela não consegue conquistar de outra maneira.

Quando um homem cobiça a mulher do próximo e a conquista, há uma violência emocional. Quando um pastor cobiça o dinheiro do próximo e o engana para consegui-lo, há um roubo, uma violência emocional e uma espiritual. O ladrão que rouba machuca o semelhante. E o político que rouba o dinheiro do Governo, que recebe comissão de uma empresa para fraudar licitações, também comete violência! Ele está nos roubando, e roubando também quem não paga imposto! Ele desvia dinheiro que podia ser usado em escolas, hospitais, estradas...destrói o pouco que nos resta de moral, de noções de certo ou errado...comete uma violência que, no final, pode até mesmo estar, literalmente, matando pessoas que morrem por causa de falta de recursos ou eficiência do serviço público. Danos reais acontecem quando a cobiça gera o pecado.

E, se há violência, a Igreja não deve se calar. Calar-se é consentir com o erro, é ser como os anciãos de Jezreel que seguiram as ordens de Jezabel. Ao contrário, devemos ser como o profeta Elias.

Se todos se calaram...porque quem pecou foi o rei (e ele não é uma pessoa como as outras) ou porque isso já é comum, Elias não se calou. Ao invés de buscar a aprovação de Acabe, Elias o confrontou. Declarou a ele que Deus vingaria a morte de Nabote. Pronunciou o justo juízo de Deus sobre os homens violentos, que se levantam para fazer o que Deus condena.

Se a sociedade se calar, a Igreja não pode fazer o mesmo. Precisamos denunciar os Acabes cobiçosos, hipócritas e violentos que oprimem os Nabotes no Brasil e dentro de nossas próprias igrejas! Dizer, com todas as letras que, se eles permanecerem nesses pecados, Deus os condenará ao fogo do inferno! Que, se a justiça dos homens se cala, a de Deus certamente os alcançará. Se não fizermos isso, então seremos apenas outros seguidores do maldito séquito de Acabe e Jezabel.

Que Deus tenha misericórdia do Brasil e de sua Igreja, para que não caiamos no mesmo erro da igreja em Tiatira:
Tenho, porém, contra ti o tolerares que essa mulher, Jezabel, que a si mesma se declara profetisa, não somente ensine, mas também seduza os meus servos a praticarem a prostituição e a comerem coisas sacrificadas aos ídolos. (Apocalipse 2:20)
Tem misericórdia de nós, Senhor!

2 comentários:

Daniel. disse...

Eu me sinto um inútil e hipócrita por não _fazer_ nada a respeito. Eu, cidadão comum, o que posso _fazer_ a respeito do que está acontecendo na minha nação, na minha igreja, na minha sociedade?

Hermes C. Fernandes disse...

Parabéns pelo belo trabalho no blog.

Já estou seguindo!

Aproveito para lhe convidar a conhecer meu blog, e se desejar segui-lo também, será uma honra.

Seus comentários também serão muito bem-vindos.

www.hermesfernandes.blogspot.com

Te espero lá!