27 novembro 2009

Última resposta a Leandro Quadros - Parte VIII

A parte anterior da resposta está aqui.

Quem quer a salvação?
Além dos versículos de escolha, onde Deus chama as pessoas à salvação, uma outra arma usada pelo professor Leandro Quadros, em seu artigo 48 textos bíblicos contra 12 descontextualizados... são os versículos de desejo. São textos, como Apocalipse 22:17, onde a Bíblia ensina que a salvação está aberta a quem quiser recebê-la. Diz Leandro:
10) “Todas as famílias” implica sim em livre-arbítrio por que o convite da salvação é para quem quiser, segundo Apocalipse 22:17. Insisto no ponto e nego a doutrina do inferno – sem ser universalista ao mesmo tempo. Isso por que acredito (assim como os Adventistas do Sétimo Dia) que o lago de fogo existirá no futuro, depois do milênio (Atos 17:31; Apocalipse 20), castigará cada pessoa proporcionalmente segundo suas obras (Mateus 16:27; Mateus 11:21-24) e, depois do castigo proporcional, os ímpios serão aniquilados (Malaquias 4:1-3; Salmo 37:20), inclusive o ser que mais vai pagar no lago de fogo: satanás (Romanos 16:20).

Veja que nossa doutrina aniquilacionista nada tem a ver com o universalismo e muito menos com o aniquilacionismo ensinado pelas Testemunhas de Jeová. (Leandro Quadros)
Como meu objetivo aqui não é discutir o inferno, e sim a predestinação, não vou analisar a heresia do aniquilacionismo. Quem quiser, pode ler uma refutação a esse ensino aqui. O que me interessa é analisar Apocalipse 22:17:
O Espírito e a noiva dizem: Vem! Aquele que ouve, diga: Vem! Aquele que tem sede venha, e quem quiser receba de graça a água da vida. (Apocalipse 22:17)
Nenhum calvinista nega que a salvação está disponível a quem quer. O problema, como eu já disse antes (e vou repetir aqui) é que nenhum ser humano quer ir até Deus:
Não há justo, nem um sequer, não há quem entenda, não há quem busque a Deus; todos se extraviaram, à uma se fizeram inúteis; não há quem faça o bem, não há nem um sequer (Romanos 3:10-12)
O texto é neotestamentário e escrito após a ressurreição de Cristo, logo, não há dúvidas de que reflete uma verdade válida para os dias de hoje. Ele também é uma citação dos salmos 14 e 53:
Diz o insensato no seu coração: Não há Deus. Corrompem-se e praticam abominação; já não há quem faça o bem. Do céu olha o SENHOR para os filhos dos homens, para ver se há quem entenda, se há quem busque a Deus. Todos se extraviaram e juntamente se corromperam, não há quem faça o bem, não há nem um sequer. (Salmo 14:1-3)

Diz o insensato no seu coração: Não há Deus. Corrompem-se e praticam iniqüidade; já não há quem faça o bem. Do céu, olha Deus para os filhos dos homens, para ver se há quem entenda, se há quem busque a Deus. Todos se extraviaram e juntamente se corromperam; não há quem faça o bem, não há nem sequer um. (Salmo 53:1-3)
Paulo aplica estes dois salmos a toda a humanidade. Ao fazer isso, ele acusa toda a humanidade de insensatez e diz que toda ela é corrupta. Rememorando Romanos, ele diz, com todas as letras que:

- Nenhum ser humano é justo (Rm 3:10);
- Nenhum entende a Deus (Rm 3:11);
- Nenhum busca a Deus (Rm 3:11);
- Todos os seres humanos se extraviaram (Rm 3:12);
- Nenhum ser humano faz o bem (Rm 3:12).

O ensino bíblico é o de que ser humano algum, voluntariamente, se volta para Deus ou busca ao Deus vivo por si só. Os homens, na verdade, preferem ignorar a Deus e substituí-Lo por ídolos:
Tais homens são, por isso, indesculpáveis; porquanto, tendo conhecimento de Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças; antes, se tornaram nulos em seus próprios raciocínios, obscurecendo-se-lhes o coração insensato. Inculcando-se por sábios, tornaram-se loucos e mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, bem como de aves, quadrúpedes e répteis. (Romanos 1:20b-23)
Na verdade, é impossível ao ser humano o obedecer a Deus. Vou repetir aqui o que disse no artigo Resposta ao Professor Leandro Quadros - "Na mira da verdade":
4) Em apoio a depravação total, cito ainda Romanos 8:5-8 “Porque os que se inclinam para a carne cogitam das coisas da carne; mas o que se inclinam para o Espírito, das coisas do Espírito. Porque o pendor da carne dá para a morte, mas o do Espírito, para a vida e paz. Por isso, o pendor da carne é inimizade contra Deus, pois não está sujeito à lei de Deus, nem mesmo pode estar. Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus.” (Romanos 8:5-8). Ora, antes de sermos salvos por Cristo, todos nós estávamos na carne. Mas, se o pendor da carne não pode estar sujeito à lei de Deus e não pode agradar a Deus, como é possível que, na carne, possamos decidir ficar ao lado de Deus? (Helder Nozima)
Veja bem, professor. Paulo diz que:

- Quem está na carne não está sujeito à lei de Deus e nem pode estar (Rm 8:7)
- Quem está na carne se inclina para as coisas da carne (Rm 8:5)

Agora, veja que, em Efésios 2:3, Paulo afirma que todos os cristãos (ele incluso) andavam na carne!
entre os quais também todos nós andamos outrora, segundo as inclinações de nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais. (Efésios 2:3)
Qual a conclusão? A de que os salvos, em algum momento da vida não podiam estar sujeitos à lei de Deus, uma vez que seguiam as inclinações de sua carne! Era impossível a eles se sujeitarem ao Senhor!

Como então há salvos? Como então há quem creia? Como então alguém pode querer ser salvo? A resposta está em Efésios 2:1:
Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados... (Efésios 2:1)
O morto, professor, nada faz! Morto não crê, não mexe, não respira, não quer. Além disso, na visão clássica não calvinista, a pessoa é salva e nasce de novo quando decide crer. Mas, veja só: a vida foi dada quando ainda estávamos mortos, em delitos e pecados! Ou seja, enquanto ainda estávamos mergulhados no pecado, praticando o pecado, mortos espiritualmente, é aí que Deus dá a vida! Deus decide vivificar os Seus eleitos quando eles ainda estão chafurdados no erro. A ideia é repetida em Efésios 2:4-5:
Mas Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, e estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo - pela graça sois salvos... (Efésios 2:4-5)
Veja, a ênfase é dada em Deus! Somos salvos não porque cremos ou queremos, mas sim porque Deus é misericordioso e decidiu dar a vida aos eleitos quando eles ainda estavam mortos!

O que é esse dar a vida? É o novo nascimento, sem o qual ninguém pode ver o Reino de Deus: A isto, respondeu Jesus:
Em verdade, em verdade te digo: que, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. (João 3:3)

Respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo: quem não nascer da água e do Espírito não pode entrar no reino de Deus. O que é nascido da carne é carne; e o que é nascido do Espírito é espírito. (João 3:5-6)
O "dar a vida" de que fala Paulo em Efésios só pode ser o "novo nascimento" de João 3. Sim, porque, ao nascer, os seres humanos ganham a vida no mundo físico. Essa analogia ou "humanização" é feita pela própria Bíblia. Combinando Romanos com o Evangelho de João, vemos que antes, o que existe é apenas a natureza humana pecaminosa e caída, a "carne". O novo nascimento é espiritual, produz em nós uma nova natureza, dá origem a um novo ser humano. E essas pessoas nascem do Espírito.

E aí, volto, mais uma vez para João 1:12-13:
Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus. (João 1:12-13)
Sobre esses versículos, eu disse o seguinte no post anterior:
11) Os calvinistas não creem que Deus empurre a salvação goela abaixo dos predestinados. Relendo João 1:12-13, vemos que os eleitos nascem de novo. Ora, o senhor escolheu nascer? Não, foi decisão dos pais, mas você não diz que eles empurraram a você goela abaixo o dom da existência! Ora, se não culpas os pais, por que culpar a Deus caso Ele, em Sua Soberana Vontade, decida nos fazer nascer de novo, com uma natureza que O agrada?

12) Na verdade, sem esse novo nascimento, não há salvação: “A isto respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo que, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.” (João 3:5). O erro é que o senhor e os partidários do livre-arbítrio esquecem que nascer é o início da vida. Logo, primeiro o eleito nasce de novo, depois ele crê. Mas o entendimento arminiano é que primeiro se crê, depois se nasce. Que não pode ser assim é mostrado em João 1:13, os filhos de Deus não nascem da vontade do homem.

13) Sobre Apocalipse 22:17 e textos similares, calvinista algum nega que a salvação é para quem quer. Vai a Cristo quem quer. O problema é que, sem nascer de novo, ninguém quer ir a Deus (Romanos 3:10-12). Primeiro, Deus faz a pessoa nascer de novo (João 3:5) e depois a pessoa, com sua nova natureza, vai até Deus. Logo, a pessoa é salva porque quer. Mas só quer porque Deus a fez nascer de novo, assim como o senhor só existe porque seus pais o fizeram nascer, sem consultá-lo, e o senhor não vê nada de mal nisso. Por que então vês o mal em Deus? (Helder Nozima em Resposta ao Professor Leandro Quadros - "Na mira da verdade")
Daí, em resposta, o professor Leandro escreveu:
11) Os calvinistas podem não crer que Deus empurre a salvação “goela a baixo”, mas, dão a entender – e de maneira clara – isso. Não vê quem não quer. Já expliquei-lhe João 1:12, 13 com base no verso 11 e com o auxílio de grandes comentaristas bíblicos.

Sua humanização de Deus não faz sentido. Primeiro porque Ele não pode ser comparado às obras das mãos dEle. Segundo: meus pais não planejaram meu nascimento (assim como grande parte da população mundial). Terceiro: o novo nascimento – como comentei anteriormente – é uma obra de Deus e, com base em Atos 2:37, 38, que afirma devermos nos arrependermos, isso significa que Deus só faz nascer de novo quem aceita a Jesus. (Leandro Quadros)
Aqui é preciso ir por partes:

- Os calvinistas "não dão a entender" que a salvação é empurrada "goela abaixo". As caricaturas populares do calvinismo é que vendem essa imagem. Se o professor lesse Calvino, e citasse uma passagem dizendo que a salvação é dada goela abaixo, aí sim me calaria. Agora, se ele prefere criticar uma teologia tendo como base, não as fontes primárias dela, mas sim a sua caricatura popular, não posso fazer nada!

- Minha "humanização" não faz sentido? Bom, meu caro, veja bem: é a própria Bíblia quem usa a analogia do nascimento! É ela quem compara Deus a um Pai e a salvação ao nascimento de filhos! A não ser que você esteja sugerindo que a Bíblia esteja errada em usar tais termos, eu posso sim usar a analogia para extrair lições teológicas válidas!

- Ok, meu caro, seus pais não planejaram o seu nascimento. Mas isso não muda o fato de que o nascimento é conseqüência de decisões e atitudes dos pais. Os filhos não têm poder algum sobre o início de suas vidas, isso é fato! Logo, interpretando a "humanização" (antropopatismo) feita pela própria Bíblia, o novo nascimento dos eleitos independe de nosso querer! João enfatiza que o novo nascimento é de Deus, e não é da vontade da carne e nem da vontade do homem!

- Atos 2:38 não diz que o arrependimento precede o novo nascimento. Leia o versículo:
Respondeu-lhes Pedro: Arrependei-vos e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo. (Atos 2:38)
E, sim, obviamente, os calvinistas ensinam que todos os nascidos de novo, sem exceção, se arrependem de seus pecados! Importante dizer isso, senão o senhor, que gosta de acrescentar coisas onde elas não são ditas, vai querer nos acusar de ensinar que há quem nasça de novo e não se arrependa. Todo cuidado é pouco nessas horas.

Aí se tem uma conseqüência: é que a ordem de salvação bíblica, ensinada pelos calvinistas, é diferente daquela ensinada por não-calvinistas. A Bíblia ensina que, primeiro, Deus dá vida aos seus eleitos, fazendo-os nascer de novo. Lembro que o termo "nascimento" é dado pela Bíblia, que a vida é dada quando ainda estamos mortos e que, por razões óbvias, a primeira coisa que uma pessoa faz na vida é nascer! Logo, primeiro se nasce de novo e depois se crê.

E aí diz o senhor:
12) A sequência apresentada pelo pastor não é a bíblica. O senhor disse que primeiro o ser humano nasce de novo; depois, crê. Biblicamente:

(1) Somos eleitos desde a eternidade para sermos salvos – Efésios 1:5 (isso por que na Onisciência dEle, Deus sabe que precisamos de um Salvador);

(2) Nascemos pecadores (Salmo 51:5). O Salmo 51:5 não diz que “nascemos de novo”;

(3) Somos convidados para aceitarmos a predestinação de Deus (Atos 2:37, 38) e influenciados pelo Espírito para isso;

(4) Cremos em Jesus por influência do Espírito Santo (João 16:8-10);

(5) Nos arrependemos, e nos convertemos, ou seja: nascemos de novo (Atos 3:19; João 3). É impossível nascer de novo sem crer em Jesus. Como uma pessoa será transformada sem primeiro contemplar o Salvador e ter o Espírito Santo? João 1:12 afirma que, mesmo sendo predestinados, só são filhos de Deus aqueles que crerem em Jesus, aceitando a predestinação Divina.

(6) Somos justificados;

(7) Somos santificados;

(8) Seremos glorificados.

Isso é apenas um resumo e reconheço que a salvação não possui uma lógica matemática. (Leandro Quadros)
Interessante, professor, é que o senhor não apresenta nenhum texto bíblico que diga assim: primeiro isso, depois aquilo. O senhor junta textos como quer, para mostrar a sua ordem.

"Ah, mas o senhor faz o mesmo". Será? Acho que Efésios 2 e João 3 são claros em mostrar que o início de tudo (no tempo) é o fato de Deus dar a vida e nascermos de novo. Mas, ainda assim, mostrei a minha lógica: o nascimento é, para todos os efeitos, o ato que dá origem à vida.

Outra coisa interessante é que não dei toda a ordem da salvação, falei apenas que o novo nascimento precede a fé.

Analisando o restante de sua resposta:

- Concordo que, primeiro, somos predestinados por Deus para a salvação. Só que, lembro que essa predestinação é tanto para o céu como para o inferno. Já tratei dos predestinados para a perdição na quinta parte desta resposta.

- Concordo que todo ser humano nasce em pecado, como diz o Salmo 51. Todos, portanto, nascem na carne e não buscam a Deus. Somente os eleitos, os únicos que nascem de novo, vencem o pecado em suas vidas e querem ir até Deus. Mas o senhor deve ter entendido errado, achando que eu defendi que a humanidade toda nasce de novo...mas aí é problema de interpretação de textos. O senhor gosta de atribuir a toda a humanidade o que acontece só com os eleitos...um defeito em que, felizmente, não incorro.

- Somos convidados a aceitar o Evangelho, e não a predestinação de Deus. O termo "predestinação" sequer aparece em Atos 2:38, Pedro chama as pessoas ao arrependimento! Mas o senhor gosta de eisegeses, de acrescentar palavras e ideias que não estão presentes no texto, já estou acostumado. O chamado ao Evangelho é para todos, professor, mas somente os eleitos aceitam, como bem ensina Atos 13:48:
Os gentios, ouvindo isto, regozijaram-se e glorificavam a palavra do Senhor, e creram todos os que haviam sido destinados para a vida eterna. (Atos 13:48)
Antes que o senhor faça uma eisegese, dizendo que todos os que ouviram a pregação naquele dia creram, provando que Atos 13:48 ensina a predestinação universal, peço que o professor leia Atos 13:42-52 e veja que os judeus ouviram e não creram. Logo, naquele sermão em Antioquia da Pisídia, somente os gentios eram eleitos à salvação, e os judeus, eleitos à condenação eterna.

- Até que enfim algo que concordamos! Aleluia! De fato, é só por influência, ou melhor, pela ação direta e sobrenatural do Espírito Santo (quem nasce no espírito vem do Espírito, lembra?) que alguém crê em Jesus. Que bom que o senhor entende essa verdade óbvia das Escrituras!

- O arrependimento e a conversão são posteriores ao novo nascimento, professor. João 3 já tratei acima, Atos 3:19, de novo, não diz que o arrependimento e a conversão antecedem o novo nascimento:
Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... (Atos 3:19)
No mais, é impossível mesmo que alguém nascido de novo não creia em Jesus. Sobre a transformação, ela é um processo. Só que, primeiro, a pessoa nasce de novo, depois crê e aí tudo continua, até a nossa glorificação celestial. O seu erro é considerar instantânea a transformação, quando, na verdade, é algo que dura toda uma vida:
Porquanto, aos que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos. E aos que predestinou, a esses chamou; e aos que chamou, a esses também justificou; e aos que justificou, a esses também glorificou. (Romanos 8:29-30)
Sobre essa frase do senhor: "João 1:12 afirma que, mesmo sendo predestinados, só são filhos de Deus aqueles que crerem em Jesus, aceitando a predestinação Divina.", o senhor não entende mesmo o que os calvinistas ensinam. Todo predestinado crê em Jesus, professor. Não há a menor possibilidade de um predestinado não crer, não se arrepender, não se santificar, não perseverar até o fim! Quem falha em algum desses pontos, não é predestinado ao céu, e sim ao inferno. Cansa explicar a mesma coisa, acho que já deu pra entender! A não ser que o senhor prefira discutir com a caricatura de calvinismo que existe na sua cabeça! O que, aliás, seria mais fácil...

Sobre a justificação, santificação e glorificação, sem problemas.

O post está enorme, mas ainda queria responder a mais um argumento do senhor:
13) Não é o que parece o que afirmou sobre Apocalipse 22:17. Diz o pastor que “calvinista algum nega que a salvação é para quem quer”. Mas, como harmonizar sua ideia com o pensamento de que alguns foram predestinados para se perderem sem ter escolhido isso? Seu parágrafo aqui ficou meio confuso. Sinta-se à vontade para reescrevê-lo e lerei com prazer. Sei que na comunicação escrita não é simples comunicarmos o que queremos de verdade (tanto que eu não me expressei bem numa das afirmações que fiz, como comentei anteriormente). (Leandro Quadros)
Professor, é simples. Deixei pra responder essa aqui porque faz um resumo legal do post:

1) É salvo quem quer;
2) Os homens não querem ir até Deus, preferem construir um ídolo a buscarem ao Senhor;
3) Como os homens não querem, voluntariamente, ir até Deus, eles escolhem se perder e serem condenados. É a conseqüência de suas escolhas;
4) Todos os que querem ser salvos, são salvos;
5) Só que, só quer a salvação quem quer Deus. E só quer Deus quem, de fato, nasce de novo;
6) Nascer de novo ou não nascer de novo é decisão de Deus, não do homem. Afinal, não é segundo a vontade da carne ou do homem;
7) Logo, apenas os eleitos ao céu querem ser salvos, nascem de novo e são salvos.

Como bem diz a Bíblia:
Assim, pois, não depende de quem quer ou de quem corre, mas de usar Deus a sua misericórdia. (Romanos 9:16)
Louvado seja o Senhor, por garantir 100% a salvação de Seus eleitos!

Professor, ainda há mais. Muito mais. Aguarde.

O próximo post está disponível aqui.

24 novembro 2009

Última resposta a Leandro Quadros - Parte VII

Leia aqui a parte anterior da resposta.


Gênesis 12:3 ensina o livre-arbítrio?
No artigo 48 textos bíblicos contra 12 descontextualizados..., o professor Leandro Quadros mostra não ter entendido a minha visão de Gênesis 12:3. Segundo o professor:
8 – A respeito de sua análise da frase “todas as famílias da terra” (Gênesis 12:5) – que em sua visão significa “nações” – isso é irrelevante, pois, famílias formam nações. Nações são formadas por famílias. Portanto, a salvação é oferecida a todos.

9) Sua “matemática da salvação” não possui lógica – e muito menos lógica espiritual. Como o senhor pode saber que Deus escolheu uma pessoa de cada família da Terra? (Leandro Quadros)
Antes de responder, quero recordar o que disse no artigo Resposta ao Professor Leandro Quadros - "Na mira da verdade":
8) Sobre o “todas as famílias da terra”, o termo “famílias” também pode ser traduzido por “nações”. Logo, ali a promessa é de que, em Abraão, todas as nações da terra seriam abençoadas, porque, em Cristo, a salvação alcançaria pessoas de todas as nações.

9) Algumas vezes “todos” significa “todo tipo de gente”, e não “todas as pessoas”. Mas, mesmo que eu conceda e fale que, em Abraão, todas as famílias são abençoadas, se uma única pessoa de cada família for eleita para a salvação e todas as outras eleitas ao inferno, as famílias foram abençoadas! Afinal, o justo seria que todos fossem condenados ao inferno, pois todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus (Romanos 3:23). Logo, se em cada família só um fosse eleito ao céu e os demais condenados, seria uma bênção! Já seria mais do que a Justiça previa. (Helder Nozima)
Professor, vamos lá:

- O que eu afirmei é que, em Gênesis 12:3, o termo "famílias" é melhor traduzido por "nações";
- Que o termo "todas" pode ser entendido como "todo tipo de gente";
- Logo, eu nunca disse que Deus escolheu uma pessoa de cada família da terra. Veja bem o termo "Mas, mesmo que eu conceda". Eu levantei uma hipótese, como concessão, de que o versículo ensina que, literalmente, todas as famílias são abençoadas. Que, ainda que essa concessão fosse feita, Gênesis 12:3 não implica em livre-arbítrio universal. Afinal, se apenas uma pessoa de cada família fosse salva, todas as famílias (literalmente) teriam sido abençoadas.

Antes de falar da minha lógica, o professor deveria ser mais atento ao que eu falei. Acho que este é um princípio básico de interpretação de textos.

Toda essa confusão acontece porque o professor acredita que Gênesis 12:3 ensina o livre-arbítrio. O que diz o versículo?
Abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; em ti serão benditas todas as famílias da terra. (Gênesis 12:3)
Não preciso repetir o que já disse. Em Abrão, todas as famílias são abençoadas porque é de Abrão que vem o Senhor Jesus Cristo. Gálatas 3:8-9 comprova isso e também que o termo "famílias" é melhor entendido como "nações":
Ora, tendo a Escritura previsto que Deus justificaria pela fé os gentios, preanunciou o Evangelho a Abraão: Em ti, serão abençoados todos os povos. De modo que os da fé são abençoados com o crente Abraão.
Professor, repare:

1) Paulo traduziu "famílias" como "povos";
2) Paulo aplica o versículo à salvação dos gentios (que é realizada por Cristo);
3) Paulo diz que a bênção alcança somente os da fé ("os da fé são abençoados")!

Gênesis 12:3 foi interpretado pelo apóstolo Paulo e não foi aplicado por ele a todos os tipos de pessoa! Agora, pergunto: com quem devemos ficar: o apóstolo Paulo ou o notável Leandro Quadros?
E, em Genesis 12:3 é dito que, por meio da aliança de Deus com Abraão, “serão benditas todas as famílias da terra”. Todas significa TODAS mesmo e não apenas uma classe. Se Deus tivesse predestinado apenas aqueles com quem Ele “foi com a cara”, essa promessa a Abraão dirigida a todas as famílias da terra perderia o sentido. (Leandro Quadros em Se eu preciso “melhorar a pontaria”, o irmão Clóvis precisa pelo menos “mirar”)

Realmente, “todos” pode significar “todo tipo de gente”, de acordo com o grego “pas”. Mas, também significa todo mundo. Que critérios usar para saber quando a Bíblia quer passar um conceito ou o outro? A análise do contexto bíblico. Se 2 Pedro 3:9 afirma que Deus deseja que TODOS cheguem ao arrependimento, o que impede que no termo esteja incluído “todo tipo de gente”, inclusive os mais perversos? (Leandro Quadros em 48 textos bíblicos contra 12 descontextualizados...)
É, professor...tem que ter muita autoridade para divergir assim, tão de frente, com negrito e tudo do apóstolo Paulo! Admiro tanta "coragem", mas confesso que não a possuo.

Assim, fica claro que Gênesis 12:3 não se aplica a todos os homens e não diz que o livre-arbítrio existe.

A certeza de minha predestinação
Parece que o professor sente-se curioso a respeito de minha situação eterna. Segundo ele:
Diga-me uma coisa: como o pastor tem certeza de que foi predestinado para a salvação? De que maneira o senhor pode provar para si mesmo – com base na teologia que segue – que sua esposa e filhos (se os tiver) não foram predestinados para a perdição e que um dia não abandonarão ao Senhor por conta disso? Pensando nisso, como é para um calvinista desfrutar da esperança da salvação, inclusive para as pessoas que mais ama? Pergunto não em tom de desafio, mas, por curiosidade mesmo. (Leandro Quadros)
Professor, tenho certeza pelo testemunho interno do Espírito Santo ao meu espírito, como está escrito em Romanos 8:16:
O próprio Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus. (Romanos 8:16)
O fato de eu ter fé em Cristo também é um indicativo, afinal, a fé não é algo que venha de mim, mas sim um presente que Deus me deu:
Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus... (Efésios 2:8)
Além do mais, os eleitos até pecam, mas, de modo geral, sua vida honra e glorifica a Deus. Afinal, os réprobos são vasos de desonra e ira, mas os eleitos são vasos de honra e misericórdia na casa de Deus:
Ou não tem o oleiro direito sobre a massa, para do mesmo barro fazer um vaso para honra, e outro, para desonra? Que diremos, pois, se Deus, querendo mostrar a sua ira e dar a conhecer o seu poder, suportou com muita longanimidade os vasos de ira, preparados para a perdição, a fim de que também desse a conhecer as riquezas da sua glória em vasos de misericórdia, que para glória preparou de antemão, os quais somos nós, a quem também chamou, não só dentre os judeus, mas também dentre os gentios? (Romanos 9:21-24)
Como fui chamado para seguir o Evangelho, cri e tenho recebido muita, mas muita misericórdia da parte de Deus, esforçando-me para honrá-Lo (embora peque muitas e muitas vezes), creio na minha eleição. Mas creio muito mais é por causa do testemunho que o Espírito Santo me dá no coração.

Em relação à esposa e filhos, não sou casado, sou noivo. Tenho uma irmã incrédula (não nasci em lar evangélico, meus pais e meu irmão se converteram depois de mim). E não tenho como saber se minha irmã é predestinada ao céu ou não, nem se minha noiva se manterá firme nos caminhos do Senhor até o fim ou se meus filhos serão vasos de honra ou de desonra. Creio que, normalmente, Deus salva familiares de seus eleitos, especialmente os descendentes e o cônjuge, por causa de 1 Coríntios 7:14:
Porque o marido incrédulo é santificado no convívio da esposa, e a esposa incrédula é santificada no convívio do marido crente. Doutra sorte, os vossos filhos seriam impuros; porém, agora, são santos.
No entanto, homens de Deus como Abraão, Isaque e Davi tiveram filhos réprobos, como foi o caso de Ismael, Esaú e Absalão. Deus é Soberano.

Meu coração se aperta por minha irmã e, sinceramente, tenho fé de que a verei salva. Mas, se isso não acontecer com ela, com minha noiva, com meus filhos...ou mesmo comigo...amém! Louvado seja o Senhor, Ele é justo e foi bom conosco, porque merecíamos nascer no inferno e Ele ainda permitiu que vivêssemos por um tempo num lugar melhor do que lá. Deus não tem que agir pensando, em primeiro lugar, na minha felicidade ou nos seres humanos, Ele tem que agir pensando é na glória d'Ele! E, se para a glória de Deus, alguém do meu próprio sangue tiver que ir para o inferno, vou sofrer, mas seja feita a vontade do Senhor. Afinal, devo amar mais ao Senhor do que a meus parentes:
Se alguém vem a mim e não aborrece a seu pai, e mãe, e mulher, e filhos, e irmãos, e irmãs e ainda a sua própria vida, não pode ser meu discípulo. (Lucas 14:26)
Quer seja salvo, quer seja condenado, o que importa é que Deus seja glorificado! Todavia, creio que, não importa o que aconteça com minha irmã, noiva e demais parentes, Deus continua agindo para o meu bem:
Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito. (Romanos 8:28)
Vou continuar a respondê-lo, professor. Mas só posso terminar esse post pedindo a oração dos irmãos para que eu dê testemunho de Cristo à minha irmã e dizendo:

SOLI DEO GLORIA! AMÉM!

O próximo post é este.

19 novembro 2009

Última resposta a Leandro Quadros - Parte VI

A parte anterior da resposta está aqui.


Os versículos de escolha
Muitos não-calvinistas, como o professor Leandro Quadros, enxergam nos "versículos de escolha" uma defesa sólida do livre-arbítrio. No presente debate, o professor se valeu de Jeremias 21:8:
A este povo dirás: Assim diz o SENHOR: Eis que ponho diante de vós o caminho da vida e o caminho da morte.
Sobre ele, diz o professor em seu artigo 48 textos bíblicos contra 12 descontextualizados...
7) Portanto, com base no estudo correto dos textos acima (levando em conta Mateus 13:15), Jeremias 21:8 prova MUITA coisa. Especialmente que Deus colocou diante do povo de Israel (e coloca diante de nós) o caminho da vida e o caminho da morte. Se apenas alguns fossem predestinados para o caminho da vida, Deus não começaria o texto pedindo: “Digam a este povo…”.
No meu artigo Resposta ao Professor Leandro Quadros - "Na mira da verdade", disse que os versículos de escolha nada provam contra a predestinação:
6) Sobre os versículos de escolha, como Jeremias 21:8, lembro que às vezes Deus manda sim que a Palavra seja pregada a pessoas que não ouvirão. Ou melhor, Deus manda pregar para endurecer corações. Já leste Isaías 6:8-10? “Depois disto, ouvi a voz do Senhor, que dizia: A quem enviarei, e quem há de ir por nós? Disse eu: eis-me aqui, envia-me a mim. Então, disse ele: Vai e dize a este povo: Ouvi, ouvi e não entendais; vede, vede, mas não percebais. Torna insensível o coração deste povo, endurece-lhe os ouvidos e fecha-lhe os olhos, para que não venha ele a ver com os olhos, a ouvir com os ouvidos e a entender com o coração, e se converta, e seja salvo.” O versículo é citado em Marcos 4:11-12 com a clara idéia de que Jesus pregava por parábolas para que algumas pessoas não fossem salvas: “Ele lhes respondeu: A vós outros é dado conhecer o mistério do reino, mas, aos de fora, tudo se ensina por meio de parábolas, para que, vendo, vejam e não percebam, ouçam e não entendam, para que não venham a converter-se, e haja perdão para eles”.

7) Logo, simplesmente apelar para versículos do tipo Jeremias 21:8, de escolher o caminho, não prova nada, pois os versículos acima mostram que o profeta Isaías e Jesus Cristo tiveram que pregar de modo que as pessoas não se convertessem. O sentido dessas pregações é o de aumentar a culpa dos ouvintes e aumentar a glória de Deus, por ter alertado até os que se perdem. Essa afirmação pode ser deduzida de Romanos 9:22, quando Paulo dá razões pelas quais Deus predestina algumas pessoas para a perdição: “Que diremos, pois, se Deus, querendo mostrar a sua ira e dar a conhecer o seu poder, suportou com muita longanimidade os vasos de ira, preparados para a perdição, a fim de que também desse a conhecer as riquezas de sua glória em vasos de misericórdia, que para glória preparou de antemão, os quais somos nós, a quem também chamou, não só dentre os judeus, mas também dentre os gentios?” (Romanos 9:22-24)
Já discuti Isaías 6:8-10 e Marcos 4:11-12 nas partes anteriores da resposta. Abaixo, quero desenvolver melhor o raciocínio de porque os versículos de escolha não anulam a predestinação.

O problema do destinatário: justos e ímpios estão misturados
Uma das regras básicas de interpretação bíblica é identificar o destinatário da passagem. Ela é dirigida a uma pessoa em particular ou a todos os homens, de modo geral? Refere-se apenas a salvos ou a todas as pessoas?

No caso de Jeremias 21:8 e de, praticamente, todos os versículos de escolha da Bíblia, o destinatário do apelo é um grupo de pessoas que reúne tanto pessoas salvas como não-salvas, eleitos e réprobos. Em Jeremias 21:8, a ordem de Deus é que o profeta fale ao povo de Israel. E, como bem sabe qualquer um que tenha lido o livro, naquele tempo muitos judeus viviam em deslavada idolatria, pecando contra Deus.

Talvez o professor queira retrucar dizendo que se a palavra era para o povo de Israel, obviamente, era para salvos. Mas aí ele estaria ignorando uma verdade da Bíblia: que nem todo o que se diz israelita é, de fato, de Israel aos olhos do Senhor:
E não pensemos que a palavra de Deus haja falhado, porque nem todos os de Israel, são, de fato, israelitas; nem por serem descendentes de Abraão são todos seus filhos; mas: Em Isaque será chamada a tua descendência. Isto é, estes filhos de Deus não são propriamente os da carne, mas devem ser considerados como descendência os filhos da promessa. (Romanos 9:6-8)
No meio do Israel étnico, "segundo a carne", existiam os filhos da promessa, aqueles que foram escolhidos por Deus e outros, que não eram, aos olhos de Deus, verdadeiro Israel. Isso fica ainda mais claro quando se vê que, na parábola do trigo e do joio, os dois cereais estão juntos, de modo que não é possível separá-los de cara:
Ele, porém, lhes respondeu: Um inimigo fez isso. Mas os servos lhe perguntaram: Querem que arranquemos também o joio? Não! Replicou ele, para que, ao separar o joio, não arranqueis também com ele o trigo. Deixai-os crescer juntos até à colheita, e, no tempo da colheita, direi aos ceifeiros: ajuntai primeiro o joio, atai-o em feixes para ser queimado; mas o trigo, recolhei-o no meu celeiro. (Mateus 13:28-30)
Isso vale não só para Israel, mas também para as cartas às igrejas do Novo Testamento. Não é porque uma pessoa levantou a mão e aceitou a Jesus, ou mesmo foi batizada, que ela é salva. Dentro da igreja, há trigo e joio, e até que eles amadureçam, não é possível distinguir um de outro com clareza. Gente que hoje parece joio, pode amadurecer e se revelar trigo. Gente que hoje parece trigo, mais na frente se revelará um pé de joio. Por isso, não podemos nos esquecer que quando as cartas são escritas, os dois grupos estão na mente do autor. Isso vale também para outros textos usados por não calvinistas, como Hebreus 6.

Ah, com um detalhe. O joio não vira trigo, nem o trigo vira joio. O trigo já nasce trigo, o joio já nasce joio, o tempo apenas revela os frutos, mas não muda a árvore. Em outras palavras, as pessoas já nascem predestinadas. Ou ao céu (trigo) ou ao inferno (joio).

Mas o professor talvez diga que ainda não provei nada. Afinal, como dizem muitos que desconhecem o calvinismo, se a pessoa é predestinada, seja ao céu ou seja ao inferno, não faz sentido dar qualquer alerta, porque o destino está traçado. Neste caso, é preciso lembrar outra doutrina bíblica e reformada:

Deus predetermina os meios para atingir os fins
Na caricatura popular feita do calvinismo, os não-calvinistas imaginam que Deus define o fim da História das pessoas (céu ou inferno) e que, não importa o meio do caminho, o fim será atingido. Na verdade, há um erro aí. O que a Bíblia ensina e os calvinistas também, é que Deus não define só o fim. Ele define também o caminho todo, incluindo todos os meios pelos quais uma pessoa será salva ou condenada.

Sim, professor. Os calvinistas não acreditam apenas que o destino eterno das pessoas é predestinado. Cremos que Deus escolheu e determinou, antes da eternidade, tudo o que acontece. Cada letra escrita por mim e pelo senhor já foi escrita por Deus antes mesmo que fosse dito: "Haja luz"! E a conseqüência disso é que Deus determinou que os eleitos fossem salvos por meio da pregação da Palavra. Por isso Jeremias tinha que dizer "Escolham entre o caminho da vida e o da morte". Afinal, por meio da pregação dele, os eleitos seriam salvos, porque isso foi predeterminado por Deus.

Como provo que o Senhor decretou todas as coisas? Bom, escrevi detalhadamente sobre isso em um outro post no blog 5 Calvinistas. O artigo pode ser lido clicando aqui. Mas, cito abaixo alguns versículos que provam essa doutrina:
Os teus olhos me viram a substância ainda informe, e no teu livro foram escritos todos os meus dias, cada um deles escrito e determinado, quando nem um deles havia ainda. (Salmo 139:16)

Eu sei, ó SENHOR, que não cabe ao homem determinar o seu caminho, nem ao que caminha o dirigir os seus passos. (Jeremias 10:23)

nele, digo, no qual fomos também feitos herança, predestinados segundo o propósito daquele que faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade... (Efésios 1:11)
 
Não se vendem dois pardais por um asse? E nenhum deles cairá sem o consentimento de vosso Pai. E, quanto a vós outros, até os cabelos todos da cabeça estão contados. (Mateus 10:29-30)
Por que pregar a Palavra se todos foram predestinados? Simples. Porque Deus determinou que é por meio da pregação que a fé viria, e assim, as pessoas seriam salvas:
Como porém, invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem nada ouviram? E como ouvirão, se não houver quem pregue? E como pregarão, se não forem enviados? Como está escrito: Quão formosos são os pés dos que anunciam coisas boas! Mas nem todos obedeceram ao evangelho; pois Isaías diz: Senhor, quem acreditou na nossa pregação? E, assim, a fé vem pela pregação, e a pregação, pela palavra de Cristo. (Romanos 10:14-17)
A boa interpretação não pode anular versículos, deve harmonizá-los. Como harmonizar Romanos 10 com Romanos 9? Muito simples. A predestinação para a salvação e para a perdição existe, como ensina Romanos 9. A fé vem pela pregação, como ensina Romanos 10. Logo, é por meio da fé que Deus vai salvar os seus eleitos.

Por isso, caro professor, é necessário sim pregar, mesmo com o final já determinado por Deus. Daí a razão dos versículos de escolha. É quando Deus fala por meio deles que os predestinados ao céu são salvos e se revelam os filhos do diabo. Quando Jesus fala (e Ele fala hoje, pela Bíblia), as ovelhas dele o seguem:
Aquele, porém, que entra pela porta, esse é o pastor das ovelhas. Para este o porteiro abre, as ovelhas ouvem a sua voz, ele chama pelo nome as suas próprias ovelhas e as conduz para fora. Depois de fazer sair todas as que lhe pertencem, vai adiante delas, e elas o seguem, porque lhe reconhecem a voz; mas, de modo nenhum seguirão o estranho; antes, fugirão dele, porque não conhecem a voz dos estranhos. (João 10:2-6)
Quando a Palavra é pregada, ou quando lemos os versículos do tipo "escolha o caminho da vida ou da morte", na verdade, Jesus está falando, chamando as suas ovelhas. As que se sensibilizam e seguem a Cristo estão mostrando que são Suas ovelhas, enquanto quem não segue mostra que não é ovelha de Jesus, mas sim de outro pastor, o diabo. Se o pastor não chamá-las para conduzi-las para fora, elas continuarão misturadas.

Assim, Jeremias 21:8 não anula a predestinação. Lá, Jesus falou por intermédio do profeta Jeremias, segundo o meio predeterminado pelo Pai, para que fossem salvos os eleitos de Deus daquele tempo.

Mais posts no forno, professor. Aguarde!

O próximo post é este.

17 novembro 2009

Última resposta a Leandro Quadros - Parte V

A parte anterior da resposta está aqui.


Deus endurece corações?
A idéia de que Deus endurece os corações humanos é uma outra coisa que o professor Leandro não entende. Ao invés de refutar toda a minha base bíblica apresentada (Romanos 9, por exemplo), Quadros optou por ignorar o que eu disse e lançar um ataque. Vejamos o primeiro o que eu falei no post "Resposta ao Professor Leandro Quadros - "Na mira da verdade":
6) Sobre os versículos de escolha, como Jeremias 21:8, lembro que às vezes Deus manda sim que a Palavra seja pregada a pessoas que não ouvirão. Ou melhor, Deus manda pregar para endurecer corações. Já leste Isaías 6:8-10? “Depois disto, ouvi a voz do Senhor, que dizia: A quem enviarei, e quem há de ir por nós? Disse eu: eis-me aqui, envia-me a mim. Então, disse ele: Vai e dize a este povo: Ouvi, ouvi e não entendais; vede, vede, mas não percebais. Torna insensível o coração deste povo, endurece-lhe os ouvidos e fecha-lhe os olhos, para que não venha ele a ver com os olhos, a ouvir com os ouvidos e a entender com o coração, e se converta, e seja salvo.” O versículo é citado em Marcos 4:11-12 com a clara idéia de que Jesus pregava por parábolas para que algumas pessoas não fossem salvas: “Ele lhes respondeu: A vós outros é dado conhecer o mistério do reino, mas, aos de fora, tudo se ensina por meio de parábolas, para que, vendo, vejam e não percebam, ouçam e não entendam, para que não venham a converter-se, e haja perdão para eles”.

7) Logo, simplesmente apelar para versículos do tipo Jeremias 21:8, de escolher o caminho, não prova nada, pois os versículos acima mostram que o profeta Isaías e Jesus Cristo tiveram que pregar de modo que as pessoas não se convertessem. O sentido dessas pregações é o de aumentar a culpa dos ouvintes e aumentar a glória de Deus, por ter alertado até os que se perdem. Essa afirmação pode ser deduzida de Romanos 9:22, quando Paulo dá razões pelas quais Deus predestina algumas pessoas para a perdição: “Que diremos, pois, se Deus, querendo mostrar a sua ira e dar a conhecer o seu poder, suportou com muita longanimidade os vasos de ira, preparados para a perdição, a fim de que também desse a conhecer as riquezas de sua glória em vasos de misericórdia, que para glória preparou de antemão, os quais somos nós, a quem também chamou, não só dentre os judeus, mas também dentre os gentios?” (Romanos 9:22-24) (Helder Nozima)
A resposta do professor no artigo "48 textos bíblicos contra 12 descontextualizados" foi:
Como Cristo iria pregar para alguns “endurecerem o coração” se a Bíblia diz que a fé “vem pelo ouvir a Palavra de Deus? (Romanos 10:9). Como o Salvador pregaria para alguns se perderem se a Bíblia é tão poderosa que chega a ser comparada em Hebreus 4:12 a uma espadada de dois gumes que penetra no íntimo do ser?

Se o senhor contextualizasse Isaías 6:8-10 e Marcos 4:11, 12, não teria dito tamanha barbaridade. Bastaria ler Mateus 13:15 e chegaria à conclusão de que o endurecimento do coração não vem de Deus e nem da Bíblia (Livro transformador), mas, da própria pessoa. Quanto mais um incrédulo (que não quer se arrepender) houve da Bíblia, mais duro ele fica. O problema não reside na Divindade, mas, no indivíduo, no “vaso” que recebe o Espírito. Vou transcrever o texto. Atente para os grifos:

“Porque o coração deste povo está endurecido, de mau grado ouviram com os ouvidos e fecharam os olhos; para não suceder que vejam com os olhos, ouçam com os ouvidos, entendam com o coração, se convertam e sejam por mim curados.” Mateus 13:15.

DE MAU GRADO o povo endureceu o coração, fechou os ouvidos e os olhos. Não foi Deus quem o fez. E, no mesmo verso é dito que Deus gostaria que eles se convertessem e fossem curados por Ele.

Relembro que tal texto é paralelo a Isaías 6:9, 10…(Leandro Quadros)
Será que Deus não endurece mesmo os corações? O que dizer, então, de Êxodo 7:3?
Eu, porém, endurecerei o coração de Faraó e multiplicarei na terra do Egito os meus sinais e as minhas maravilhas. (Êxodo 7:3)
Será um lapso de Moisés, teria ele escrito errado o que o Senhor o disse? Creio que não. Até a quinta praga, de fato, a Bíblia diz que o Faraó endureceu o seu próprio coração. Mas, a partir da sexta praga, começamos a ler:
Porém o SENHOR endureceu o coração de Faraó, e este não os ouviu, como o SENHOR tinha dito a Moisés. (Êxodo 9:12)

O SENHOR, porém, endureceu o coração de Faraó, e este não deixou ir os filhos de Israel. (Êxodo 10:20)

O SENHOR, porém, endureceu o coração de Faraó, e este não quis deixá-los ir. (Êxodo 10:27)

Moisés e Arão fizeram todas essas maravilhas perante Faraó; mas o SENHOR endureceu o coração de Faraó, que não permitiu saíssem da sua terra os filhos de Israel. (Êxodo 11:10)

Porque o SENHOR endureceu o coração de Faraó, rei do Egito, para que perseguisse os filhos de Israel; porém os filhos de Israel saíram afoitamente. (Êxodo 14:8)
Nossa, professor, quantos versículos não? Todos dizendo claramente que Deus endureceu o coração de Faraó! Mas, talvez o senhor queira dizer que Faraó é uma exceção. Ora, não seja por isso! Eis que Deus endurece o coração de todo o Egito para acompanharem o seu rei endurecido:
Eis que endurecerei o coração dos egípcios, para que vos sigam e entrem nele; serei glorificado em Faraó e em todo o seu exército, nos seus carros e nos seus cavalarianos... (Êxodo 14:17)
Eu é que pergunto, professor. À luz dos textos acima, como pode o senhor afirmar, tão confiantemente que eu "chegaria à conclusão de que o endurecimento do coração não vem de Deus e nem da Bíblia (Livro transformador), mas, da própria pessoa."?

Mas ainda é preciso responder às indagações do professor: "Como Cristo iria pregar para alguns “endurecerem o coração” se a Bíblia diz que a fé “vem pelo ouvir a Palavra de Deus? (Romanos 10:9). Como o Salvador pregaria para alguns se perderem se a Bíblia é tão poderosa que chega a ser comparada em Hebreus 4:12 a uma espadada de dois gumes que penetra no íntimo do ser?"

Em primeiro lugar, a fé vem sim pelo ouvir a Palavra de Deus. Concordo. Agora, Romanos 10:9 não diz que Deus não endurece corações. O professor erra muito por querer por nos versículos coisas que eles não dizem. Eu mostrei, claramente, que Deus endurece sim corações, e ainda não usei o último versículo sobre este assunto. Tampouco diz que todos os que ouvem crêem, ou algo assim. Portanto, pergunto, para quê citar o versículo?

A mesma coisa de Hebreus 4:12. Sim a Bíblia é comparada a uma espada (espadada, acho que só na Bíblia do professor) de dois gumes, e penetra sim até o mais profundo do ser. Mas, de novo, onde está escrito lá que Deus não endurece corações? Como o professor infere isso?

Creio que o professor não aceite o que está escrito e acabe criando contradições bíblicas. O professor diz que Deus não endurece corações, que as pessoas é que endurecem. Tudo bem, concordo que as pessoas se endureçam. Reconheço que, em Mateus 13:15 o povo ouviu de mau grado.

Mas não posso fechar os olhos para tantos versículos onde se fala de um Deus que endurece os corações. Ainda mais quando leio na Bíblia que Deus pode sim dar olhos para ver e ouvidos para ouvir...e, simplesmente, recusar-se a fazer isso: como está escrito:
Deus lhes deu espírito de entorpecimento, olhos para não ver e ouvidos para não ouvir, até ao dia de hoje. E diz Davi: Torne-se-lhes a mesa em laço e armadilha, em tropeço e punição; escureçam-se-lhes os olhos, para que não vejam, e fiquem para sempre encurvadas as suas costas. (Romanos 11:8-10)

Porque o SENHOR derramou sobre vós espírito de profundo sono, e fechou os vossos olhos, que são os profetas, e vendou a vossa cabeça, que são os videntes. (Isaías 29:10)
Veja só, professor, o apóstolo Paulo explica que os judeus não se convertiam porque Deus deu a eles:

- Um espírito de entorpecimento;
- Olhos que não veem;
- Ouvidos que não ouvem.

Baseando-se nisso no profeta Isaías. Explique-me, então, como é possível Deus não fazer o que está escrito na Bíblia que Ele faz? Talvez o senhor tenha uma Bíblia diferente da minha, superior, onde está escrito o contrário do que está na minha. Se este é o caso, por favor, disponibilize essa nova revelação, para que não cometa erros primários nem o acuse mais de por "na boca da Bíblia" aquilo que ela não diz.

Fecho, com mais um versículo que gostaria que o senhor me explicasse, interpretando-o para dizer que Deus não endurece corações:
Logo, tem ele misericórdia de quem quer e também endurece a quem lhe apraz. (Romanos 9:18)
Louvado seja Deus, que tem pleno poder sobre todos os corações humanos! Exaltado seja o Deus Único, porque meus olhos e ouvidos só podem ver e ouvir, se, e somente se, Ele assim o desejar! Soli Deo Gloria!

No mais, calma, professor. Ainda há muitos posts no forno...

Leia aqui o próximo post.

13 novembro 2009

Última resposta a Leandro Quadros - Parte IV

A parte anterior da resposta está aqui.


Minha interpretação "blasfema"
O professor Leandro Quadros critica minha interpretação de Isaías 6:8-10 e Marcos 4:11-12. Para ele, chego quase à blasfêmia:
Com todo o respeito por sua pessoa, a interpretação que deu a Isaías 6:8-10 e Marcos 4:11, 12 chega a ser blasfema. Não creio que tenha sido intencional, mas, é algo terrível afirmar que Cristo “pregava por parábolas para que algumas pessoas não fossem salvas”. Que visão limitada da salvação, pastor! Como um servo de Deus, ministro da Palavra, irá negar João 3:16 que diz estar a salvação disponível a todo aquele que nEle crê? Como deixar de lado 2 Pedro 3:9 onde é registrado o desejo de Deus de que “ninguém pereça [NINGUÉM É NINGUÉM MESMO!], mas que todos [TODOS é TODOS mesmo! Veremos adiante os significados do termo no grego] cheguem ao arrependimento? (Leandro Quadros)
Bom, por partes. Primeiro, quero colocar abaixo Isaías 6:8-10 e Marcos 4:10-12:
Depois disto, ouvi a voz do Senhor, que dizia: A quem enviarei, e quem há de ir por nós? Disse eu: eis-me aqui, envia-me a mim. Então, disse ele: Vai e dize a este povo: Ouvi, ouvi e não entendais; vede, vede, mas não percebais. Torna insensível o coração deste povo, endurece-lhe os ouvidos e fecha-lhe os olhos, para que não venha ele a ver com os olhos, a ouvir com os ouvidos e a entender com o coração, e se converta, e seja salvo. (Isaías 6:8-10)

Quando Jesus ficou só, os que estavam junto dele com os doze o interrogaram a respeito das parábolas. Ele lhes respondeu: A vós outros é dado conhecer o mistério do reino de Deus; mas, aos de fora, tudo se ensina por meio de parábolas, para que, vendo, vejam e não percebam; e, ouvindo, ouçam e não entendam; para que não venham a converter-se, e haja perdão para eles. (Marcos 4:10-12)
Existem versículos que são duros, mas estão ali na Bíblia. A minha interpretação "blasfema" diz apenas o que está escrito:
6) Sobre os versículos de escolha, como Jeremias 21:8, lembro que às vezes Deus manda sim que a Palavra seja pregada a pessoas que não ouvirão. Ou melhor, Deus manda pregar para endurecer corações. Já leste Isaías 6:8-10? “Depois disto, ouvi a voz do Senhor, que dizia: A quem enviarei, e quem há de ir por nós? Disse eu: eis-me aqui, envia-me a mim. Então, disse ele: Vai e dize a este povo: Ouvi, ouvi e não entendais; vede, vede, mas não percebais. Torna insensível o coração deste povo, endurece-lhe os ouvidos e fecha-lhe os olhos, para que não venha ele a ver com os olhos, a ouvir com os ouvidos e a entender com o coração, e se converta, e seja salvo.” O versículo é citado em Marcos 4:11-12 com a clara idéia de que Jesus pregava por parábolas para que algumas pessoas não fossem salvas: “Ele lhes respondeu: A vós outros é dado conhecer o mistério do reino, mas, aos de fora, tudo se ensina por meio de parábolas, para que, vendo, vejam e não percebam, ouçam e não entendam, para que não venham a converter-se, e haja perdão para eles”. (Helder Nozima)
Não altero uma letra do que digo, quase que só repeti o versículo. E João 3:16 e 2 Pedro 3:9 não negam a minha interpretação. Um versículo pode até revogar a outros, mas não os anula. A verdade bíblica é equivalente tanto em Marcos 4:11-12 como em João 3:16. Mas será que não há conflito?

João 3:16
Diz assim o versículo mais conhecido da Bíblia:
Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.
Às vezes é bom começar dizendo o que o versículo não diz. João 3:16 não afirma:

- Que Deus não endurece pessoas;
- Que Jesus não contava parábolas para evitar que alguns entendessem e fossem convertidos;
- Que a predestinação é para todos;
- Que alguém que não é predestinado crê.

O que talvez leve o professor e muitos arminianos a, erradamente, usarem o versículo contra calvinistas são as seguintes afirmações, essas sim, de João 3:16:

- Deus amou o mundo;
- Todo o que crê em Jesus não perece, mas tem a vida eterna.

Nenhuma das duas afirmações contesta o ensino da predestinação. Deus ama o mundo não quer dizer, necessariamente, amou a todas as pessoas individualmente ou que Ele ama a todos de modo igual. Amar o mundo significa que Deus amou a criação que Ele fez, amou a humanidade de forma geral e decidiu salvá-la. Mas não diz que Deus decidiu salvar a todas as pessoas, ou que Ele deu uma opção para cada ser humano...nada disso está escrito em João 3. Essas idéias são colocadas no texto pelos outros, o que, teologicamente, é chamado de eisegese.

Que Deus não ama a todos, pode ser inferido de alguns textos:
Como está escrito: Amei Jacó, porém me aborreci de Esaú. (Romanos 9:13)

Eu vos tenho amado, diz o SENHOR; mas vós dizeis: Em que nos tens amado? Não foi Esaú irmão de Jacó? - disse o SENHOR; todavia, amei a Jacó, porém aborreci a Esaú; e fiz dos seus montes uma assolação e dei a sua herança aos chacais do deserto. (Malaquias 1:2-3)

Os arrogantes não permanecerão à tua vista; aborreces a todos os que praticam a iniqüidade. (Salmo 5:5)

O SENHOR põe à prova ao justo e ao ímpio; mas, ao que ama a violência, a sua alma o abomina. (Salmo 11:5)
E nem adianta dizer que a maioria é do Antigo Testamento, porque Deus não muda.
Toda boa dádiva e todo dom perfeito são lá do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não pode existir variação ou sombra de mudança. (Tiago 1:17)
Logo, temos que conciliar João 3:16 com os versículos citados, uma vez que Deus não muda. E aí, temos o seguinte:

- Deus ama o mundo;
- Deus aborreceu a Esaú (aborrecer pode ser traduzido como odiar);
- Deus aborrece todos que praticam a iniqüidade;
- A alma de Deus abomina quem ama a violência.

Não dá, portanto, para dizer que João 3:16 ensina que Deus ama a todas as pessoas individualmente ou de modo igual. Dá sim, para afirmar que Deus amou o mundo, enquanto conjunto de pessoas, criação, mas não "toda pessoa da Terra". Pode ser duro, pode ser que o leitor nunca tenha atentado para isso antes...mas é exatamente o que a Bíblia ensina. O clichê do "Deus odeia o pecado, mas ama ao pecador", é errado, como pode ser visto aqui.

O professor, que diz ser um grande exegeta, revela-se, pois, um grande eisegeta, colocando sua visão pessoal e tradição adventista na interpretação do versículo.

E quanto ao "todo aquele que nele crê"? Mais simples ainda. João 3:16 não fala que todas as pessoas têm a oportunidade de crer ou não, fala só que os que crêem não perecem. Aí os calvinistas respondem: certíssimo! Sabe por quê? Porque apenas os realmente predestinados crêem.

Sim, afinal, é Deus quem dá a fé:
Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus...(Efésios 2:8)
O arrependimento também não vem de nós, mas sim de Deus:
Ou desprezas a riqueza da sua bondade, e tolerância, e longanimidade, ignorando que a bondade de Deus é que te conduz ao arrependimento? (Romanos 2:4)
Nem mesmo o amor vem de nós mesmos, mas é dado pelo Espírito Santo:
Ora, a esperança não confunde, porque o amor de Deus é derramado em nosso coração pelo Espírito Santo, que nos foi outorgado. (Romanos 5:5)
Se a fé, o arrependimento e o amor vem de Deus, então só podemos crer, nos arrepender e amar se Deus nos der estas coisas. Na verdade, se o Pai não levar uma pessoa até Jesus, é impossível que ela se converta, como diz o próprio Jesus:
Ninguém pode vir a mim se o Pai, que me enviou, não o trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia (João 6:44)

Tudo me foi entregue por meu Pai. Ninguém conhece o Filho, senão o Pai; e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar. (Mateus 11:27)
Sim, Leandro, todos os que crerem não perecerão. Mas só é possível ter fé, se Deus der o dom. Só nos arrependemos, se o Senhor for bondoso conosco. Só amaremos com o amor de Deus, se o Espírito quiser. Mais do que isso, jamais iremos até Jesus se o Pai não nos trouxer. E ninguém pode ir ao Pai se Jesus não quiser revelar.

Pergunto, como diante de tantas provas, o professor ainda tem a coragem de achar que nós podemos escolher a salvação?

2 Pedro 3:9
Para entender 2 Pedro 3:9, gostaria de citar 2 Pedro 3:8-10:
Há, todavia, uma coisa, amados, que não deveis esquecer: que para o Senhor, um dia é como mil anos, e mil anos, como um dia. Não retarda o Senhor a sua promessa, como alguns a julgam demorada; pelo contrário, ele é longânimo para convosco, não querendo que nenhum pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento. Virá, entretanto, como ladrão, o Dia do Senhor, no qual os céus passarão com estrepitoso estrondo, e os elementos se desfarão abrasados; também a terra e as obras que nela existem serão atingidas. (2 Pedro 3:8-10)
Aqui, Pedro está falando aos cristãos sobre o último dia. Ele está dizendo a cristãos que a promessa de Deus para eles, da vinda de Jesus, estava próxima e não seria demorada. É um consolo para uma igreja perseguida, que aguarda como promessa a vinda de Jesus. Não é a ímpios ou a homens de modo geral que fala o apóstolo: afinal, para os ímpios, o Dia do Senhor não é promessa, mas sim ameaça.

Dito isso, vamos ao versículo 9. Pedro diz:

- Que Deus não retarda a sua promessa, embora alguns achem que ela demore;
- Que Ele é longânimo para convosco. Aqui, meus caros, falando de Juízo, Pedro só pode estar falando de salvos! Como o Juízo pode ser prova de longanimidade a todos os homens?
- Que Deus não quer que nenhuma das pessoas com quem Ele é longânimo pereça, ou seja, os salvos.
- Que Deus quer, portanto, que os salvos cheguem ao arrependimento.

Mas Quadros dá muito valor a 2 Pedro 3:9 em sua argumentação:
Realmente, “todos” pode significar “todo tipo de gente”, de acordo com o grego “pas”. Mas, também significa todo mundo. Que critérios usar para saber quando a Bíblia quer passar um conceito ou o outro? A análise do contexto bíblico. Se 2 Pedro 3:9 afirma que Deus deseja que TODOS cheguem ao arrependimento, o que impede que no termo esteja incluído “todo tipo de gente”, inclusive os mais perversos? (Leandro Quadros)
A resposta é: o contexto. Como expliquei acima.

Mas, ainda que eu fizesse uma concessão e concordasse (erradamente, aliás) que 2 Pedro 3:9 refere-se a todos os homens, ainda assim a predestinação permanece. Eu já disse isso antes, mas não custa repetir: Deus quer não é igual a Deus faz e nem a Deus dá uma chance a todos. Deus quer, mas o inferno existe e pessoas serão condenadas. Não é porque Deus quer alguma coisa que Ele, necessariamente, a faça. E, se fosse assim, então todos seriam salvos. Afinal, o desejo de Deus não é esse, Leandro? Então, por que não é assim?

Louvado seja Deus, porque eu não o queria, não o escolhi, mas Ele me escolheu. Louvado seja Deus porque Ele me deu fé, me conduziu ao arrependimento e derramou amor em meu coração. Louvado seja o Pai porque me levou ao Filho, e o Filho porque revelou o Pai a mim. Louvado seja Deus, porque eu não fiz nada, absolutamente nada para ser salvo, e porque Ele fez tudo!

Soli Deo Gloria!

Continuo depois. Ainda há mais posts no forno. O próximo é este.

11 novembro 2009

Última resposta a Leandro Quadros - Parte III

Leia a parte anterior da resposta clicando aqui.


A habitação do Espírito Santo, a predestinação e o livre-arbítrio
O Espírito Santo é a saída do professor Leandro Quadros para escapar da verdade bíblica da depravação total, assunto que já tratei na segunda parte desta resposta. Diz ele:
Respondendo a sua pergunta: “como é possível que, na carne, possamos decidir ficar ao lado de Deus?”, faço minha a resposta de Romanos 8:10: “Se, porém, Cristo está em vós, o corpo, na verdade, está morto por causa do pecado, mas o espírito é vida, por causa da justiça.” E 1 Coríntios 6:19, 20 completa a resposta ao dizer que o Espírito Santo mora em nosso corpo. Portanto, a habitação de Cristo em nós por meio do Espírito nos capacita (pela graça de Deus) a escolhermos ou não continuarmos predestinados. Do contrário, por que o Espírito Santo habitaria em nós se não fosse para nos ajudar e nos converter?
Vamos ver se eu entendi. O professor acredita que toda a humanidade foi predestinada por Deus, mas que cada ser humano pode escolher ou não se continua como predestinado. Esse poder de escolha seria dado pelo Espírito Santo que habita "em nós", sendo que, pelo contexto do professor, o nós refere-se à humanidade. Se o "nós" refere-se apenas a salvos, então não fica explicado como seres carnais podem escolher a Deus.

Quadros também acredita que a base do livre-arbítrio é a presença do Espírito Santo. Embora eu imagine que a citação abaixo fosse dirigida a salvos, como defesa do livre-arbítrio ela acaba sugerindo que Deus habita em todos os homens:
Sem a habitação de Deus em nós sua tese seria perfeita. Mas, como temos um Deus que faz a diferença quando mora conosco e em nós, de modo algum uma pessoa que nasceu de novo (João 3) não terá livre-arbítrio (sem livre-arbítrio, não há novo nascimento. Sem liberdade de escolha, não se pode amar de verdade alguém, pois, o amor é uma escolha. E Deus quer que o amemos não de forma robótica e programada).
Isso porque o professor crê que todo ser humano possui livre-arbítrio. Logo, pela citação dele, se todos podem fazer escolhas livremente, então Deus habita em todo ser humano, afinal, é graças a presença d'Ele que podemos escolher livremente. Dá a entender também que todos nasceram de novo, afinal...se Deus mora conosco e em nós, todos nasceram de novo (é um raciocínio bíblico claro para a maioria dos evangélicos). Mas, mais à frente, ele nega e atribui o novo nascimento só aos salvos. Não dá bem pra entender como só os salvos nascem de novo, mas Deus habita em todos. O texto de Quadros é confuso e não esclarece esses pontos.

Enfim, fato é que aqui encontramos a raiz da confusão do raciocínio do professor, causadas por duas doutrinas problemáticas:

- Que toda a humanidade foi predestinada por Deus para a salvação;
- Que o Espírito Santo habita em todos os homens, logo, por Ele, têm a capacidade de vencer a carne e escolher a graça.

Bom, se o professor está certo, então, de fato, ele encontraria vários versículos mostrando predestinados escolhendo se perder e rejeitando à graça do Espírito Santo. O calvinismo estaria, definitivamente, condenado.

Mas o problema é que a Bíblia ensina duas verdades diferentes:

- Uns foram predestinados para a salvação e outros para a perdição (ponto tratado no post anterior, mas quem quiser, pode ler Rm 9:14-18; 9:21; Pv 16:4 e 1 Pe 2:7-8);
- O Espírito Santo não habita em todos os homens, mas apenas nos eleitos, nos salvos em Cristo.


O último ponto será provado abaixo, neste post. Mas, fica aqui uma ressalva. Caso o erro seja provado (e o será), o professor terá interpretado, com erro, uma série enorme de versículos. Se um dos dois pilares acima se mostrar errado, o pensamento de Quadros não encontra sustentação. Um deles já mostrei no post anterior, o da predestinação de todos para a salvação. O outro analiso a seguir:

A habitação do Espírito Santo
Que o Espírito não habita em todos, pode ser visto no texto usado pelo professor, desde que peguemos alguns versículos a mais no contexto:
Vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se, de fato, o Espírito de Deus habita em vós. E, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele. Se, porém, Cristo está em vós, o corpo, na verdade, está morto por causa do pecado, mas o espírito é vida, por causa da justiça. Se habita em vós o Espírito daquele que ressuscitou a Jesus dentre os mortos, esse mesmo que ressuscitou a Cristo Jesus dentre os mortos vivificará também o vosso corpo mortal, por meio do seu Espírito, que em vós habita. (Romanos 8:9-11)
Aqui, fica claro que existem dois grupos de pessoas. Um tem o Espírito Santo, esses são de Cristo, o corpo está morto e o espírito humano vive, por causa justiça. Outro não tem o Espírito, logo, não são de Cristo. Desta maneira, é impossível que o Espírito Santo habite em toda a humanidade.

Sim, concordo com o professor de que o Espírito Santo habita nas pessoas para ajudá-las e convertê-las. Na verdade, sem essa ação do Espírito, a conversão é impossível. Basta voltarmos à segunda parte de minha resposta e relermos a explicação sobre a depravação total e isso ficará claro.

Assim, se o Espírito não habita em todos e se, sem Ele, a conversão é impossível...a conclusão é que o Espírito habita apenas nos eleitos, e somente esses têm o poder de vencer o pecado e escolher, voluntariamente, servir a Deus. Assim, 1 Coríntios 6:19-20 se aplica somente aos eleitos:
Acaso, não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que está em vós, o qual tendes da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por preço. Agora, pois, glorificai a Deus no vosso corpo.
Esse e outros textos do mesmo tipo só se aplicam à igreja, aos salvos, aos eleitos. Em Efésios 1:3-14, Paulo escreve uma longa frase onde ele fala da predestinação. Ali, ele, mais uma vez, deixa bem claro que só recebe o Espírito Santo quem crê em Deus. O Espírito é o selo, o penhor (a garantia) dos salvos:
em quem também vós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa; o qual é o penhor da nossa herança, até o resgate da sua propriedade, em louvor da sua glória. (Efésios 1:13-14)
Se todos têm o Espírito, todos creram e foram selados e receberam de Deus um penhor, uma garantia de que receberão a salvação em plenitude no futuro. Por mais que Quadros diga que não, a conseqüência lógica deste ensino é o universalismo, a heresia de que todas as pessoas são salvas.

Cabe aqui lembrar que Jesus também ensina que o Espírito é só para os salvos. Ele rogaria ao Pai para que seus discípulos recebessem o Espírito Santo, mas o mundo (entendido aqui como a humanidade de modo geral, inimiga de Deus) não pode recebê-Lo:
E eu rogarei ao Pai e ele vos dará outro Consolador, a fim de que esteja para sempre convosco, o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não no vê, nem o conhece; vós o conheceis, porque ele habita convosco e estará em vós. (João 14:16-17)
Se o mundo não pode recebê-Lo, como pode o Espírito estar em todos os homens? E, sem o Espírito, segundo a argumentação do próprio professor, como podem os homens vencerem a carne e escolherem a Deus?

Desta maneira, como o Espírito Santo não habita em todos os homens, também está desmontada a argumentação de que, na cruz, Cristo deu o livre-arbítrio aos homens. Disse o professor:
5) O que quis afirmar a Clóvis foi que na cruz de Cristo o livre-arbítrio foi devolvido de forma plena. A resposta a essa sua pergunta é a mesma que dei anteriormente: a habitação do Espírito em nós é que nos capacita a fazermos boas escolhas.
O "nós" só tem sentido se for referente aos salvos, não cabe para não salvos. Como só os eleitos são salvos, para o reformado, o calvinismo permanece em pé.

João 1:12-13
Considerações sobre o novo nascimento vão ficar reservadas para um próximo post, inclusive em relação à questão dos salvos terem ou não livre-arbítrio. Por enquanto, vou tratar apenas do que o professor me disse de João 1:12-13.
A respeito de minha interpretação de João 1:12, 13: o texto está falando do novo nascimento. Uma leitura a partir do verso 11 e o estudo de grandes comentaristas em geral comprovam isso. (Leandro Quadros)
Parece que o professor não conhece regras básicas de interpretação de textos. Em momento algum afirmei que João 1:12-13 não é sobre novo nascimento. Aliás, disse que João 1:12-13 se referia a isso! Coloco aqui o que escrevi sobre o versículo no artigo Resposta ao Professor Leandro Quadros - "Na mira da verdade", atacado pelo professor:
11) Os calvinistas não creem que Deus empurre a salvação goela abaixo dos predestinados. Relendo João 1:12-13, vemos que os eleitos nascem de novo. Ora, o senhor escolheu nascer? Não, foi decisão dos pais, mas você não diz que eles empurraram a você goela abaixo o dom da existência! Ora, se não culpas os pais, por que culpar a Deus caso Ele, em Sua Soberana Vontade, decida nos fazer nascer de novo, com uma natureza que O agrada?

12) Na verdade, sem esse novo nascimento, não há salvação: “A isto respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo que, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.” (João 3:5). O erro é que o senhor e os partidários do livre-arbítrio esquecem que nascer é o início da vida. Logo, primeiro o eleito nasce de novo, depois ele crê. Mas o entendimento arminiano é que primeiro se crê, depois se nasce. Que não pode ser assim é mostrado em João 1:13, os filhos de Deus não nascem da vontade do homem. (Helder Nozima)
O que o professor não entendeu é que não me refiro ao nascimento físico, e sim ao espiritual. O novo nascimento espiritual encontra paralelos no nascimento físico. Assim como os pais é que promovem o nascimento dos filhos carnais (quer o façam de modo consciente ou não), Deus é quem faz o nascimento espiritual (só que aqui, Ele é sempre consciente, e mais, determina o fato).

Outra coisa que o professor parece não entender é o dizer dos teólogos. Diz ele:
Quem não recebeu a Jesus, pastor Nozima? Os “não-predestinados”? Pelo contrário: os predestinados, pois o texto diz que “os seus não o receberam”! E esses predestinados escolheram não receber a Cristo. Isso não é um comentário meu, mas o resultado de uma simples exegese (não eisegese) do texto! Interprete o verso com o auxílio de João 3:16 e o assunto ficará claro em sua mente.
Muito bem, a questão é o que significa os "seus", que não receberam a Cristo. Para Leandro, significa "predestinados". Aí ele cita 3 teólogos: Barclay, Henry e Moody. O problema é que nenhum dos três fala que "seus" é "predestinados". Por exemplo, Matthew Henry:
Mattew Henry:
“Todos os filhos de Deus são nascidos de novo. Este novo nascimento acontece por meio da Palavra de Deus (1 Pe 1.25), e pelo Espírito de Deus, como seu autor”.
Vejam a desfaçatez do professor! Leandro, prove-me que Matthew Henry dizia que "seus" é sinônimo de "predestinados"! Prove! Que descaramento! Você, Leandro, diz:
Com base no verso 11 de João 1 e nos comentários esmagadores citados acima, o pastor irá deixar tudo isso de lado e “preferir” interpretar João 1:11, 12 de acordo com sua preferência? Não creio nisso.
Ora, no quê minha interpretação difere da de Henry? Não disse eu que João 1:12-13 refere-se ao novo nascimento? Onde Henry segue o senhor e afirma que "seus" é "predestinados", incluindo a humanidade toda?

Até Moody, que era arminiano, não endossa a interpretação do professor:
Moody:
“Nem todos recusaram a Luz. Aqueles que a receberam ganharam poder (autoridade, direito) de serem feitos (naquele exato momento) filhos de Deus. Aqueles que o receberam são descritos como aqueles que crêem no seu nome (pessoa). (grifos acrescentados por mim)
Moody e Henry é que discordam de Quadros. Apenas os que recebem a Cristo são filhos de Deus...eles nada dizem que "seus" que rejeitaram são os predestinados! Quadros se orgulha de usar somente a Bíblia, mas usa teólogos...e o pior...usa-os incorretamente!!!

O texto não diz que "seus" é igual a "predestinados". Aliás, nem Henry, Barclay ou Moody dizem isso...e, se dizem, o professor que prove, colocando o trecho e toda a referência bibliográfica da citação! Os "seus" refere-se à humanidade de modo geral. Afinal, em termos gerais, a humanidade rejeitou a Cristo, como podemos ver até os dias de hoje. Isso fica claro no contexto. Jesus veio ao mundo, a luz que ilumina a todo homem (Jo 1:9), veio para o mundo (Jo 1:10), veio para o que era seu (Jo 1:11). É claro que o "seu" ali é o mundo"! E que os "seus" que não o receberam é a humanidade toda (excluindo, obviamente, os que O receberam, os eleitos)!

Mas, é claro, o professor acredita que toda a humanidade é predestinada. Um erro hermenêutico básico cometido por ele o impede de entender o que eu escrevi sobre João 1:12-13, o leva a usar erradamente os comentários de teólogos e o induz ao erro!

Mais uma vez, podia parar por aqui. A raiz do pensamento errado do professor foi exposta em seus 2 pilares, e a inconsistência bíblica de todos eles foi provada.

Ele diz que lê e interpreta a Bíblia simplesmente, sem usar uma tradição. Isso é mentira. Toda sua hermenêutica está fundamentada na tradição (se assim a pudermos chamar) adventista.

Mas vou continuar. Ainda há vários posts no forno. O próximo é este.

10 novembro 2009

Última resposta a Leandro Quadros - Parte II

Leia a primeira parte da resposta aqui.


O uso de Berkouwer e outros autores
O professor diz que sua única regra de fé e prática é a Bíblia. Mas não hesita em lançar mão de autores, como Berkouwer, Matthew Henry, Barclay (seria o William?), Moody...

Eu mesmo não fiquei aqui citando Calvino e outros ótimos teólogos, como Jonathan Edwards, John Owen, Arthur Walkington Pink e muitos outros que amparam o meu ponto de vista. Nesse ponto, fico com um argumento usado por vários adventistas: vamos usar a Bíblia! É o que ela diz, e não o que teólogos dizem, que prova o certo ou errado. Deixemos de lado os argumentos ad hominem.

O livre-arbítrio
O versículo de ouro usado pelo professor Leandro Quadros para defender o livre-arbítrio é Romanos 5:12. Nas palavras dele:
Basta ler Romanos 5:12 e o senhor verá que, mesmo o ser humano não tendo capacidade de ir a Deus por conta própria (nisso concordo, pois é o Senhor que vai atrás do pecador e efetua nele o querer e o realizar, segundo Filipenses 2:13), pôde fazer escolhas para pecar ainda mais. Se pôde escolher pecar (claro: a tendência pecaminosa existe dentro de cada um), é claro que pode também escolher a graça de Deus para lutar contra o pecado. “Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram.” Romanos 5:12. A morte passou a todos porque todos pecaram e não porque todos foram predestinados para pecar.
Vejam bem. O professor concorda que o ser humano não tem capacidade de ir até Deus por conta própria. Como pode concordar com isso e afirmar que "pode também escolher a graça de Deus para lutar contra o pecado"? Se o ser humano não tem forças para buscar a Deus em sua força humana, ora, como então ele tem condições de escolher a graça de Deus?

Uma simples leitura de Romanos 3:10-12 desmonta a tese do professor: como está escrito:
Não há justo, não há nem um sequer, não há quem entenda, não há quem busque a Deus; todos se extraviaram, à uma se fizeram inúteis; não há quem faça o bem, não há nem um sequer.
Esses 3 versículos, sozinhos, já são suficientes para destruir o pensamento de Quadros e são centrais na minha argumentação. Segundo eles:

- Não há justo, ou seja, não há pessoas aprovadas por Deus.
- Não há quem entenda, não existem seres humanos que compreendam o que Deus quer.
- Não há quem busque a Deus. Ora, se não existe ser humano que O busque, como eles podem escolher a graça? Não fazem o mínimo, não entendem o que Deus quer...dizer que, sozinho, o ser humano é capaz de escolher a Deus é ignorar o texto!
- Todos se extraviaram, ou seja, se perderam.
- À uma se fizeram inúteis. Ora, se o ser humano tornou-se inútil, imprestável, sem utilidade, como ele pode escolher a graça?
- Não há quem faça o bem. Escolher a graça não seria um bem? Ora, mas a Bíblia diz que não há pessoa assim.

Quanto a Romanos 5:12, sabe o que o versículo diz sobre o livre-arbítrio? Nada.
Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram.
O que, aliás, favorece a doutrina da depravação total, que se baseia em Romanos 3:10-12, 5:12 e muitos outros.

O que diz a doutrina da depravação total?

Depravação total é a doutrina que ensina que todos os seres humanos foram afetados pelo pecado e estão mortos espiritualmente, de tal modo que, voluntariamente, o ser humano é incapaz de se arrepender de seus pecados, voltar-se para Deus e ser salvo.

Ou seja, não negamos Romanos 5:12 nem temos problema com o versículo. Ele diz que a morte passou para todos os homens, predestinados ou não. Todo calvinista concorda com isso, sem problemas.

Aliás, precisamente porque a morte passou a todos é que a predestinação é necessária. Um morto nada faz. Aliás, segundo Romanos 3:10-12 (que cita o Salmo 14 e o 53), todos os seres humanos, de si só, são mortos e incapazes de buscar a Deus ou escolher a graça.

A morte e ressurreição de Jesus não anula essa verdade. Até porque a carta aos Romanos foi escrita após a ressurreição. Logo, a verdade do capítulo 3, da incapacidade do ser humano, permanece em pé. A morte e ressurreição de Cristo afeta os salvos, mas não dá ao incrédulo a capacidade de escolher a graça.

Como isso se encaixa na predestinação? Simples. Uma vez que todos os homens estão mortos (obrigado por citar Romanos 5:12, professor!), todos são incapazes de irem até Deus. Se Deus esperasse que algum ser humano escolhesse a graça, ninguém faria isso. Então, já que todos nasceram mortos por causa de Adão, Deus escolhe salvar a alguns.

Repare, professor, que a vida é dada enquanto os eleitos ainda estão mortos:
Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados. (Efésios 2:1)
Em outras palavras, Deus não fica esperando, já que a espera seria inútil. Ele vai lá, quando os eleitos ainda estão mortos, nos pecados...e então, Ele dá a vida.

Podia parar aqui. A não ser que o professor faça esses versículos dizerem algo diferente, está destruído um argumento central da defesa do Sr. Leandro Quadros sobre o livre-arbítrio. Um pilar central ruiu, não preciso brandir mais argumentos, já estabeleci o pilar da depravação total e da predestinação. Mas, ainda me darei ao trabalho de falar muito mais.

Voltando, como disse antes, Deus escolhe quem Ele quer salvar e quem Ele não salvará.
Que diremos, pois? Há injustiça da parte de Deus? De modo nenhum! Pois ele diz a Moisés: Terei misericórdia de quem me aprouver ter misericórdia e compadecer-me-ei de quem me aprouver ter compaixão. Assim, pois, não depende de quem quer ou de quem corre, mas de usar Deus a sua misericórdia. Porque a Escritura diz a Faraó: Para isto mesmo te levantei, para mostrar em ti o meu poder e para que o meu nome seja anunciado por toda a terra. Logo, tem ele misericórdia de quem quer e também endurece a quem lhe apraz.(Romanos 9:14-18)
O texto é claro:

- Deus escolhe algumas pessoas para receberem misericórdia e outras para serem endurecidas;
- Deus não é injusto por escolher ser misericordioso com uns e duro com outros;
- Deus é quem decide, em sua Soberana vontade, de quem Ele vai ou não se compadecer;
- A salvação não depende de quem quer ou de quem corre. Depende apenas se Deus vai ou não ser misericordioso.

E, com o texto acima, temos o segundo ponto do calvinismo: a eleição incondicional. Deus escolhe salvar quem Ele quer, e isso não se baseia em nada que nós, seres humanos, possuamos. O único critério pelo qual Deus escolhe ou não é a Sua vontade.


Claro, isso impõe uma conseqüência lógica. Se uns são predestinados para a salvação, outros o são para a perdição eterna. E aí, o professor Leandro, rapidamente, saca seus argumentos:
Se o pastor me disser que Deus predestina alguns para se perderem, estará indo contra o Salmo 5:4 que ensina não ser Deus o originador do pecado (Por favor: não faça como os ateus que gostam de citar Isaías 45:7). Predestinar para a perdição não é questão de Soberania, mas, ACEPÇÃO DE PESSOAS, coisa que o próprio Deus condena (Romanos 2:11 – atente para o fato de que o verso está no mesmo livro onde vocês se apóiam para afirmar a doutrina da predestinação determinista.
Calma, professor, sem Isaías 45:7. Primeiro, vamos lá, o professor diz que a predestinação para a perdição fere dois versículos:
Pois tu não és Deus que se agrade com a iniqüidade e contigo não subsiste o mal. (Salmo 5:4)

Porque para com Deus não há acepção de pessoas. (Romanos 2:11)
O primeiro versículo não cabe...a não ser que o professor considere que Deus usar o Seu poder de escolha seja algo maligno. Mas, e quanto à acepção de pessoas?

Olha, sinceramente, Deus faz acepção de pessoas é no arminianismo. Se a predestinação é por presciência, então Deus escolheria com base em algumas qualidades que as pessoas teriam ou não, no caso, a fé, por exemplo. Acepção de pessoas é favorecer a uns e prejudicar a outros com base em alguma qualidade que a pessoa tenha. É o que explica Tiago:
Meus irmãos, não tenhais a fé em nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor da glória, em acepção de pessoas. Se, portanto, entrar na vossa sinagoga algum homem com anéis de ouro nos dedos, em trajos de luxo e lhe disserdes: Tu, assenta-te aqui, em lugar de honra; e disserdes ao pobre: Tu, fica ali em pé ou assenta-te aqui abaixo do estrado dos meus pés, não fizestes distinção entre vós mesmos e não vos tornastes juízes tomados de perversos pensamentos? (Tiago 2:1-4)
O pecado da acepção de pessoas era o de favorecer os ricos, por serem...ricos.

Mas, no caso da predestinação, todos são igualmente mortos e miseráveis. Pelo mérito, ninguém merece ser salvo. Na visão reformada, Deus escolhe quem Ele quer, sem se basear em nenhum critério de favorecimento, em nenhuma característica especial, logo não se configura a acepção. Já na visão arminiana, Deus escolheria baseado na fé, na resposta ao convite...e aí sim seria acepção. Já que todos são miseráveis, escolher com base em alguma característica ou atitude seria acepção.

A não ser, é claro, que os arminianos ou o professor queiram advogar uma salvação por mérito, onde a pessoa merece ser salva porque teve a boa obra ou característica. Neste caso, minha resposta é Efésios 2:8-9:
Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie.
Nós, reformados, podemos até crer em uma "aberração teológica" para os adventistas. Que seja. Antes crer em uma aberração teológica, mas harmônica com a Bíblia, do que crer em uma aberração bíblica, como faz o professor.

Sobre a base bíblica da predestinação para a perdição, ao invés de Isaías 45:7 (versículo que não cabe no nosso debate, não sei porque o professor receou que o usasse), dou-lhe Provérbios 16:4
O SENHOR fez todas as coisas para determinados fins e até o perverso, para o dia da calamidade.
Acrescento os vasos de ira de Romanos 9:
Ou não tem o oleiro direito sobre a massa, para do mesmo barro fazer um vaso para honra e outro, para desonra? (Romanos 9:21)
E Pedro!
Para vós outros, portanto, os que credes, é a preciosidade; mas, para os descrentes,
A pedra que os construtores rejeitaram, essa veio a ser a principal pedra, angular
e:
Pedra de tropeço e rocha de ofensa.
São estes os que tropeçam na palavra, sendo desobedientes, para o que também foram postos. (1 Pedro 2:7-8)
São 3 versículos, de 3 autores diferentes, nos 2 Testamentos, ensinando a predestinação para a perdição.

Bom, o senhor pode se arrogar autoridade suficiente para dizer que Salomão, Paulo e Pedro criam em uma "aberração teológica". Paciência. Não sabia que discutia com alguém mais sábio que Salomão e que entendeu melhor o Evangelho do que os apóstolos Paulo e Pedro, a ponto de dizer que o ensino deles é uma aberração. Diz o senhor:
Quer que eu e demais cristãos acreditemos em tal aberração teológica?
Respondo: não quero que os cristãos creiam em tal aberração teológica. Mas Salomão, Paulo e Pedro querem.

Ainda estou no ponto 3, professor. Já não precisaria continuar, os argumentos centrais foram refutados. Mas, por amor à verdade, prosseguirei...nos próximos posts.

O link da terceira parte está aqui.

Última resposta a Leandro Quadros - Parte I

Aos leitores do Reforma e Carisma,

Amados, será o último texto que pretendo escrever ao professor Leandro Quadros, do “Na Mira da Verdade”. Para quem não acompanhou, eu me envolvi em um debate com o professor a respeito da predestinação. Tudo começou com uma crítica feita pelo Clóvis no blog Cinco Solas. O professor Leandro fez uma réplica que pode ser lida aqui. Nesse ponto, resolvi interferir e publiquei um artigo refutando a réplica. Para ler, clique aqui. O Clóvis também treplicou o professor. Leia a tréplica aqui.

Bom, nesse ponto o professor resolveu responder a mim, com o artigo "48 textos bíblicos contra 12 descontextualizados".

Abaixo vai a primeira parte de uma série de posts para responder ao professor. Não vou escrever tudo de uma vez só para não cansar os leitores. Até porque duvido que alguém, além dos interessados, tenha lido tudo. De qualquer forma, o debate ajudará a esclarecer a solidez do calvinismo e do ponto de vista adventista sobre o assunto.

Ao Professor Leandro Quadros,

O senhor demonstra uma incrível capacidade de produzir textos grandes. Não partilho do mesmo talento. Primeiro porque sou jornalista de formação, e aprendi que texto bom é o curto, o que se atém ao necessário. Segundo porque estamos na Internet, e blogs são espaços para leituras mais breves. No entanto, como o senhor parece preferir respostas longas e exaustivas, tentarei dar o que preferes. Só que o farei em partes, para não cansar aos leitores e poupar o meu tempo.

A quantidade de versículos usados
Começo com o título de seu artigo. 48 a 12, nossa, parece que o senhor me deu uma "lavada", não é mesmo? Não necessariamente.

Uma argumentação vencedora não é a maior, nem aquela que usa mais versículos. Afinal, textos grandes podem ser mais difíceis de terem suas idéias bem encadeadas e perderem o foco. Citar textos é fácil, mas usá-los de modo pertinente é o que conta. Muitas vezes, um texto menor, que use menos versículos de modo mais correto, pode ser muito mais claro.

Portanto, não pense que um suposto placar de 48 a 12 me assusta ou faz com que me sinta perdedor do debate. Aliás, o veredicto é dado por cada leitor. O importante é a força do argumento, não a quantidade de textos ou o tamanho do artigo.

O meu tom no artigo
O professor se queixa de que a forma como eu o tratei "não foi legal". Primeiro por tê-lo chamado de ignorante e segundo por tê-lo desafiado a publicar um comentário, como se ele "tivesse medo de alguma coisa ou de bons debates".

Bom, legal, ou melhor, ético, é publicar o contraponto. Algo que, até às 17h08 do dia 9 de novembro, o professor não fez em seu site. Onde está a ética de um professor que publica uma resposta, mas não dá sequer um link onde se possa ler o outro lado? Isso ao menos eu fiz. Neste artigo e no anterior eu deixei o link para que o ponto de vista do professor fosse lido.

Dessa forma, questiono se o professor realmente tem medo de linkar a minha posição e interpelo porque o meu comentário não foi publicado em seu blog.

Sobre chamá-lo de "ignorante", segundo o dicionário Houaiss, um dos significados da palavra é "que ou quem não tem conhecimento por não ter estudado, praticado ou experimentado". Em seu texto dirigido ao irmão Clóvis, o senhor diz:
1º: Se os cinco pontos atribuídos a João Calvino não são dele, então as enciclopédias de história eclesiástica e os comentários bíblicos estão todos errados – menos Clóvis. (Leandro Quadros)
Prova sim de ignorância, no sentido de que o senhor desconhece o calvinismo. Afinal, como mostrei em artigo anterior:
Não sei qual a enciclopédia que o senhor utiliza, mas ela é muito ruim. Os 5 pontos do calvinismo foram estabelecidos no Sínodo de Dort, em 1618/19, na Holanda. João Calvino morreu em 1564. A não ser que o irmão ache que Calvino baixou em uma sessão espírita, seria impossível para ele definir os 5 pontos, consagrados no acróstico TULIP e também conhecidos como Cânones de Dort. (Helder Nozima)
Logo, não erro em chamá-lo de ignorante. Se o senhor se propõe a combater o calvinismo, ou a fazer afirmações tão categóricas sobre Calvino, o mínimo que eu esperaria era o conhecimento de fatos básicos, como a origem do termo TULIP.

Não o destratei, fiz apenas o uso correto dos termos da língua portuguesa.

Quanto à minha paciência, já a demonstro em me dispor a ler seus textos e respondê-los. Mas gostaria de ver o que o senhor acha da paciência de Paulo. Afinal, ao se referir a um grupo que ensinava aos gálatas inovações ao Evangelho, o apóstolo não hesitou em amaldiçoar os hereges:
Mas, ainda que nós ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangelho que vá além do que vos temos pregado, seja anátema. Assim, como já dissemos, e agora repito, se alguém vos prega evangelho que vá além daquele que recebestes, seja anátema. (Gálatas 1:8-9)
Na carta onde ele fala da paciência, ao se referir aos que pregavam a circuncisão, chega a sugerir que eles se castrem:
Tomara até se mutilassem os que vos incitam à rebeldia. (Gálatas 5:12)
Há em mim uma paciência muito maior do que aquela que vejo no apóstolo Paulo ao se referir aos que pensam de modo diferente.

Por que escrevi 5 páginas para refutar 12?
Minha resposta é simples: porque julguei que 5 eram suficientes.

O seu texto, de 12 páginas, já me pareceu enorme e confuso. Talvez seja uma limitação minha de leitura, mas essa impressão foi comum a outros blogueiros do lado calvinista.

Se fosse refutar ponto a ponto, extrapolaria suas 12 páginas. Correria o risco de perder o foco, dos leitores chegarem no meio e já não se lembrarem mais do início. Preferi ser conciso. De qualquer forma, fiz um texto enorme, de 28 pontos, e o senhor ainda achou pouco. Imagine se fosse ponto a ponto.

Por que apenas 28 pontos? Por que não refutei todos os argumentos?
Ao contrário do que o senhor parece pensar, não acho que, para ganhar uma discussão, seja preciso responder ponto a ponto. Se os pontos mais importantes forem refutados, se a base for atingida, o argumento do adversário cai.

Um exemplo. Se fosse um ateu e convencesse um cristão de que Jesus não é Deus, não precisaria dizer mais nada. Não teria que atacar a Bíblia, nem falar sobre milagres, nada disso. Teria destruído um argumento central.

Se discutisse com um espírita e o convencesse de que a reencarnação não existe, não precisaria derrubar mais nenhum ponto da doutrina kardecista. A discussão estaria ganha.

Não foi a avaliação do senhor, mas no meu ponto de vista, os meus 28 pontos foram suficientes para refutar seus argumentos mais importantes e expor, consistentemente, a base bíblica do calvinismo. Não vejo porque eu teria que ser exaustivo e levantar cada versículo bíblico sobre o assunto. Uma amostragem sólida, ao meu ver, é suficiente.

A pergunta da acusação
Disse o senhor: "Onde acusei alguém?"

Não entendi a sua pergunta. Onde falei do senhor acusar a alguém?

A repetição dos questionamentos
O senhor pede uma prova de que seus questionamentos no texto do Clóvis são repetidos. Vou provar por amostragem e não de modo exaustivo.

No texto "Se eu preciso 'melhorar a pontaria', o irmão Clóvis precisa pelo menos 'mirar'", lemos:
Argumento humano e infundado. É claro que toda humanidade está predestinada para a salvação. Em Gênesis 3:15 vemos a profecia messiânica aplicada a toda a raça humana descendente de Adão e Eva. E, em Genesis 12:3 é dito que, por meio da aliança de Deus com Abraão, “serão benditas todas as famílias da terra”. Todas significa TODAS mesmo e não apenas uma classe. Se Deus tivesse predestinado apenas aqueles com quem Ele “foi com a cara”, essa promessa a Abraão dirigida a todas as famílias da terra perderia o sentido.

Os textos a seguir refutam a ideia de Clóvis de que a predestinação “não está disponível a toda a humanidade”. E espero de coração que o irmão não “explique novamente” aquilo que a Bíblia já deixou claro, como o Sol ao meio-dia(...)1 Timóteo 2:4

“O qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade.”

Deus deseja que todos (e não só os “predestinados” na concepção de Calvino) sejam salvos. Prova indiscutível de que o maravilhoso dom da Salvação não é restrito a um grupo de pessoas que “não queiram ser salvas”, por exemplo.

Infelizmente, nem todos vão querer ser salvos, como vimos em Apocalipse 20:8, 9. (Nota do Helder: mesmo tipo de argumento de Gn 12:3, baseado no "todas")
Ainda lemos dois argumentos, um após o outro, que dizem quase a mesma coisa, que o calvinismo tornaria inútil a doutrina do Juízo:
3) O calvinismo afronta a doutrina do juízo e a torna desnecessária. Romanos 14:10-12 é claro em afirmar que cada um dará contas de si mesmo a Deus e 1 Pedro 4:17 diz que o juízo começa “pela casa de Deus”. Por que um julgamento se antes Deus já decidiu quem irá se salvar e se perder? (Ler Mateus 25:31-46);

4) O calvinismo anula a ideia bíblica de um castigo proporcional às obras de cada um (Mateus 16:26, 27; Lucas 12:47, 48;
O mesmo pode ser dito sobre, supostamente, o calvinismo limitar a salvação e a graça de Deus. Dá no mesmo dizer que limita uma ou outra, mas a repetição aumenta a quantidade de argumentos:
7) O calvinismo limita a salvação, afrontando 2 Coríntios 5:14:

“Pois o amor de Cristo nos constrange, julgando nós isto: um morreu por todos; logo, todos morreram.”

Não “por todos os predestinados calvinistas”, mas, por todos os que aceitarem a Cristo como Salvador pessoal (Romanos 10:9).

8 – O calvinismo limita a graça de Deus:

“Pois assim como, por uma só ofensa, veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também, por um só ato de justiça, veio a graça sobre todos os homens para a justificação que dá vida.” Romanos 5:18.
Fico por aqui. Talvez você me diga que não são repetições, que são ideias parecidas, mas não idênticas, que elas reforçam a argumentação. Tudo bem, é uma estratégia de discussão. Não é a minha, mas tudo bem.

Por que não respondi a perguntas retóricas ou sobre a perda da salvação
Já respondi isso no tópico acima. Não ache que tenha que responder a todas as suas perguntas. Sobre a perda da salvação, eu respondi sim:
Mas, quem persevera até o fim...são os eleitos. Quem era da igreja e apostata nunca foi eleito. Como diz 1 João 2:19 – “Eles saíram de nosso meio; entretanto, não eram dos nossos; porque, se tivessem sido dos nossos, teriam permanecido conosco; todavia, eles se foram para que ficasse manifesto que nenhum deles é dos nossos”.
Não preciso listar aqui os versículos que ensinam que os eleitos não perdem a salvação. O blog Teologia e Vida já fez isso por mim. O artigo pode ser lido aqui. Mas, se a batalha é ganha pela quantidade, copio a lista deles.
Salmos 37.28: "Porque o SENHOR ama o juízo e não desampara os seus santos; eles são preservados para sempre; mas a semente dos ímpios será desarraigada."

Jeremias 31.3: "Há muito que o SENHOR me apareceu, dizendo: Porquanto com amor eterno te amei, por isso com benignidade te atraí."

Jeremias 32.40: "E farei com eles uma aliança eterna de não me desviar de fazer-lhes o bem; e porei o meu temor nos seus corações, para que nunca se apartem de mim."

Ezequiel 11.19-20: "E lhes darei um só coração, e um espírito novo porei dentro deles; e tirarei da sua carne o coração de pedra, e lhes darei um coração de carne; para que andem nos meus estatutos, e guardem os meus juízos, e os cumpram; e eles me serão por povo, e eu lhes serei por Deus."

Mateus 18.12-14: "Que vos parece? Se algum homem tiver cem ovelhas, e uma delas se desgarrar, não irá pelos montes, deixando as noventa e nove, em busca da que se desgarrou? E, se porventura achá-la, em verdade vos digo que maior prazer tem por aquela do que pelas noventa e nove que se não desgarraram. Assim, também, não é vontade de vosso Pai, que está nos céus, que um destes pequeninos se perca."

Lucas 22.32: "Mas eu roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça; e tu, quando te converteres, confirma teus irmãos."

João 3.36: "Aquele que crê no Filho tem a vida eterna; mas aquele que não crê no Filho não verá a vida, mas a ira de Deus sobre ele permanece."

João 5.24: "Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida."

João 6.35-39: "E Jesus lhes disse: Eu sou o pão da vida; aquele que vem a mim não terá fome, e quem crê em mim nunca terá sede. Mas já vos disse que também vós me vistes, e contudo não credes. Todo o que o Pai me dá virá a mim; e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora. Porque eu desci do céu, não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou. E a vontade do Pai que me enviou é esta: Que nenhum de todos aqueles que me deu se perca, mas que o ressuscite no último dia."

João 10.26-29: "Mas vós não credes porque não sois das minhas ovelhas, como já vo-lo tenho dito. As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem; e dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão. Meu Pai, que mas deu, é maior do que todos; e ninguém pode arrebatá-las da mão de meu Pai."

João 17.6,11-15: "Manifestei o teu nome aos homens que do mundo me deste; eram teus, e tu mos deste, e guardaram a tua palavra [...] E eu já não estou mais no mundo, mas eles estão no mundo, e eu vou para ti. Pai santo, guarda em teu nome aqueles que me deste, para que sejam um, assim como nós. Estando eu com eles no mundo, guardava-os em teu nome. Tenho guardado aqueles que tu me deste, e nenhum deles se perdeu, senão o filho da perdição, para que a Escritura se cumprisse. Mas agora vou para ti, e digo isto no mundo, para que tenham a minha alegria completa em si mesmos. Dei-lhes a tua palavra, e o mundo os odiou, porque não são do mundo, assim como eu não sou do mundo. Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal."

Romanos 5.6-10: "Porque Cristo, estando nós ainda fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios. Porque apenas alguém morrerá por um justo; pois poderá ser que pelo bom alguém ouse morrer. Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores. Logo muito mais agora, tendo sido justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira. Porque se nós, sendo inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho, muito mais, tendo sido já reconciliados, seremos salvos pela sua vida."

Romanos 5.17: "Porque, se pela ofensa de um só, a morte reinou por esse, muito mais os que recebem a abundância da graça, e do dom da justiça, reinarão em vida por um só, Jesus Cristo."

Romanos 8.1: "Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito."

Romanos 8.28-39: "E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito. Porque os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos. E aos que predestinou a estes também chamou; e aos que chamou a estes também justificou; e aos que justificou a estes também glorificou. Que diremos, pois, a estas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós, como nos não dará também com ele todas as coisas? Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica. Quem é que condena? Pois é Cristo quem morreu, ou antes quem ressuscitou dentre os mortos, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós. Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada? Como está escrito: Por amor de ti somos entregues à morte todo o dia; Somos reputados como ovelhas para o matadouro. Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou. Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor."

I Coríntios 1.7-9: "De maneira que nenhum dom vos falta, esperando a manifestação de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual vos confirmará também até ao fim, para serdes irrepreensíveis no dia de nosso Senhor Jesus Cristo. Fiel é Deus, pelo qual fostes chamados para a comunhão de seu Filho Jesus Cristo nosso Senhor."

I Coríntios 11.32: "Mas, quando somos julgados, somos repreendidos pelo Senhor, para não sermos condenados com o mundo."

II Coríntios 1.22: "O qual também nos selou e deu o penhor do Espírito em nossos corações."

Efésios 1.3-5,13-14: "Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo; como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor; e nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade [...] Em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa. O qual é o penhor da nossa herança, para redenção da possessão adquirida, para louvor da sua glória."

Efésios 4.30: "E não entristeçais o Espírito Santo de Deus, no qual estais selados para o dia da redenção."

Filipenses 1.6: "Tendo por certo isto mesmo, que aquele que em vós começou a boa obra a aperfeiçoará até ao dia de Jesus Cristo."

Filipenses 3.13-16,20-21: "Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim, prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus. Por isso todos quantos já somos perfeitos, sintamos isto mesmo; e, se sentis alguma coisa de outra maneira, também Deus vo-lo revelará. Mas, naquilo a que já chegamos, andemos segundo a mesma regra, e sintamos o mesmo [...] Mas a nossa cidade está nos céus, de onde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará o nosso corpo abatido, para ser conforme o seu corpo glorioso, segundo o seu eficaz poder de sujeitar também a si todas as coisas."

I Tessalonicenses 5.23-24: "E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo, sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo. Fiel é o que vos chama, o qual também o fará."

II Tessalonicenses 2.13-14: "Mas devemos sempre dar graças a Deus por vós, irmãos amados do Senhor, por vos ter Deus elegido desde o princípio para a salvação, em santificação do Espírito, e fé da verdade; para o que pelo nosso evangelho vos chamou, para alcançardes a glória de nosso Senhor Jesus Cristo."

II Tessalonicenses 3.3: "Mas fiel é o Senhor, que vos confirmará, e guardará do maligno."

II Timóteo 1.12: "Por cuja causa padeço também isto, mas não me envergonho; porque eu sei em quem tenho crido, e estou certo de que é poderoso para guardar o meu depósito até àquele dia."

II Timóteo 4.18: "E o Senhor me livrará de toda a má obra, e guardar-me-á para o seu reino celestial; a quem seja glória para todo o sempre. Amém."

Hebreus 7.25: "Portanto, pode também salvar perfeitamente os que por ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por eles."

Hebreus 9.12: "Nem por sangue de bodes e bezerros, mas por seu próprio sangue, entrou uma vez no santuário, havendo efetuado uma eterna redenção."

Hebreus 10.14: "Porque com uma só oblação aperfeiçoou para sempre os que são santificados."

Hebreus 12.5-13: "E já vos esquecestes da exortação que argumenta convosco como filhos: Filho meu, não desprezes a correção do Senhor, E não desmaies quando por ele fores repreendido; porque o Senhor corrige o que ama, E açoita a qualquer que recebe por filho. Se suportais a correção, Deus vos trata como filhos; porque, que filho há a quem o pai não corrija? Mas, se estais sem disciplina, da qual todos são feitos participantes, sois então bastardos, e não filhos. Além do que, tivemos nossos pais segundo a carne, para nos corrigirem, e nós os reverenciamos; não nos sujeitaremos muito mais ao Pai dos espíritos, para vivermos? Porque aqueles, na verdade, por um pouco de tempo, nos corrigiam como bem lhes parecia; mas este, para nosso proveito, para sermos participantes da sua santidade. E, na verdade, toda a correção, ao presente, não parece ser de gozo, senão de tristeza, mas depois produz um fruto pacífico de justiça nos exercitados por ela. Portanto, tornai a levantar as mãos cansadas, e os joelhos desconjuntados, e fazei veredas direitas para os vossos pés, para que o que manqueja não se desvie inteiramente, antes seja sarado."

I Pedro 1.3-5: "Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo que, segundo a sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, para uma herança incorruptível, incontaminável, e que não se pode murchar, guardada nos céus para vós, que mediante a fé estais guardados na virtude de Deus para a salvação, já prestes para se revelar no último tempo."

I João 1.8-10: "Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça. Se dissermos que não pecamos, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós."

I João 2.19: "Saíram de nós, mas não eram de nós; porque, se fossem de nós, ficariam conosco; mas isto é para que se manifestasse que não são todos de nós."

I João 3.9: "Qualquer que é nascido de Deus não comete pecado; porque a sua semente permanece nele; e não pode pecar, porque é nascido de Deus."

I João 5.4,11-13,20: "Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo, a nossa fé [...] E o testemunho é este: que Deus nos deu a vida eterna; e esta vida está em seu Filho. Quem tem o Filho tem a vida; quem não tem o Filho de Deus não tem a vida. Estas coisas vos escrevi a vós, os que credes no nome do Filho de Deus, para que saibais que tendes a vida eterna, e para que creiais no nome do Filho de Deus [...] E sabemos que já o Filho de Deus é vindo, e nos deu entendimento para conhecermos o que é verdadeiro; e no que é verdadeiro estamos, isto é, em seu Filho Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna."

Judas 1.1: "Judas, servo de Jesus Cristo, e irmão de Tiago, aos chamados, santificados em Deus Pai, e conservados por Jesus Cristo."

Judas 1.24-25: "Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeçar, e apresentar-vos irrepreensíveis, com alegria, perante a sua glória, ao único Deus sábio, Salvador nosso, seja glória e majestade, domínio e poder, agora, e para todo o sempre. Amém."

Obs: Todas as referências bíblicas são da versão Almeida Corrigida e Fiel.
Professor, fique à vontade para refutar, um a um. Afinal, se foi isso que o senhor pediu de mim, nada mais justo que o senhor me dê o exemplo.

Fico por aqui nesse primeiro post. Depois prossigo com minha resposta

Ah, em tempo, no Word já deu 8 páginas só o primeiro post, com fonte Times 10. E nem terminei de responder a primeira página do senhor.

Veja a próxima parte clicando aqui.

Graça e paz do Senhor,

Helder Nozima
Barro nas mãos do Oleiro