26 janeiro 2011

O sofrimento dos bons

Num dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o SENHOR, veio também Satanás entre eles apresentar-se perante o SENHOR. Então, o SENHOR disse a Satanás: Donde vens? Respondeu Satanás ao SENHOR e disse: De rodear a terra e passear por ela.

Perguntou o SENHOR a Satanás: Observaste o meu servo Jó? Porque ninguém há na terra semelhante a ele, homem íntegro e reto, temente a Deus e que se desvia do mal. Ele conserva a sua integridade, embora me incitasses contra ele, para o consumir sem causa.

Então, Satanás respondeu ao SENHOR: Pele por pele, e tudo quanto o homem tem dará pela sua vida. Estende, porém, a mão, toca-lhe nos ossos e na carne e verás se não blasfema contra ti na tua face.

Disse o SENHOR a Satanás: Eis que ele está em teu poder; mas poupa-lhe a vida.

Então, saiu Satanás da presença do SENHOR e feriu a Jó de tumores malignos, desde a planta do pé até ao alto da cabeça. Jó, sentado em cinza, tomou um caco para com ele raspar-se. Então, sua mulher lhe disse: Ainda conservas a tua integridade? Amaldiçoa a Deus e morre.

Mas ele lhe respondeu: Falas como qualquer doida; temos recebido o bem de Deus e não receberíamos também o mal? Em tudo isto não pecou Jó com os seus lábios. (Jó 2:1-10)
Imagine acordar sábado de manhã para fazer uma viagem. Você se levanta, ora, pede a proteção divina para você e para a sua bagagem, que está trancada com cadeados. Algumas horas depois, no aeroporto de destino, a sua mala aparece rasgada e sem cadeado...com várias coisas roubadas.

Isso foi o que aconteceu comigo há alguns dias. E nessas horas, por mais que você não queira, algumas perguntas começam a surgir. Por que Deus não protegeu o que eu pedi pra que Ele protegesse? Será que não tive fé o suficiente? Será que Deus falhou? Terá sido tudo uma armadilha diabólica?

Se um pequeno incidente como esse gera tantos questionamentos, o que pensar quando, em um curto espaço de tempo, somos atingidos por uma catástrofe que leva tudo: posses, família e a saúde! De certa forma, essa é a realidade de vários cristãos brasileiros atingidos por enchentes no estado do Rio de Janeiro, de outros que são perseguidos, presos e até torturados em países onde o Evangelho é proibido e de vários que servem a Deus fervorosamente e, de repente, são atingidos subitamente por algum tipo de mal.

Quando isso acontece, o que pensar? Deus perdeu o controle? Ele cochilou e o diabo se aproveitou para destruir os filhos d'Ele? A fé não foi forte o bastante para alcançar o favor divino? Para muitos, certas respostas são tão insuportáveis que é melhor pensar que esses incidentes são obras diabólicas (onde o papel de Deus é ignorado) ou castigos divinos a pecadores (porque pessoas boas não são afligidas com esses sofrimentos).

Mas, será que é sempre assim? Não é o que a Bíblia ensina.

Os justos também sofrem
Se você ficou com dó de mim porque eu fui roubado, então você se derretaria em lágrimas e indignação se soubesse o que aconteceu com Jó. Afinal, quantas pessoas você conhece que receberam, verbalmente, a aprovação pública do próprio Deus? Uma coisa é ouvir uma mãe dizendo como seus filhos são bons, outra é Deus dizer que um homem é "íntegro e reto, temente a Deus e que se desvia do mal", alguém tão especial que "ninguém há na terra semelhante a ele". Se existia uma pessoa na terra que merecia tudo de bom, ah, com certeza era Jó.

E, de fato, Deus o abençoou com muitas coisas: riqueza, filhos, saúde e o respeito da sociedade. Em qualquer dimensão pela qual um homem possa ser medido, Jó poderia ser considerado um vencedor, inclusive na devoção ao Senhor. Se as obras, a conduta e as orações são o melhor seguro contra o mal, ninguém era mais protegido do que Jó.

Mas ele perdeu tudo. Os bens e os filhos foram destruídos ou roubados em um único dia. Como se isso não bastasse, Satanás foi até a presença de Deus para acusar a Jó...e o Senhor autoriza o diabo a tirar dele a saúde. A santidade de Jó não o livrou de sofrimentos profundos e intensos.

Quando o mal nos atinge, nós questionamos a Deus porque, inconscientemente, pensamos que pessoas boas não sofrem. No fundo de nossos corações, achamos que nossos atos são bons e puros, que somos melhores do que a média e que merecemos um tratamento à altura do Senhor. Nossas obras seriam uma espécie de apólice de seguro, um pagamento dado a Deus em troca de livramentos e proteção. Quando alguém perde tudo, fica doente ou é roubado, isso é porque houve algum pecado ou falha. Ainda acreditamos que pessoas boas ficam longe do mal.

No entanto, o ensino bíblico é o de que ninguém é, de si mesmo, bom e justo:
Que se conclui? Temos nós qualquer vantagem? Não, de forma nenhuma; pois já temos demonstrado que todos, tanto judeus como gregos, estão debaixo do pecado;como está escrito: Não há justo, nem um sequer,não há quem entenda, não há quem busque a Deus; (Romanos 3:9-11)
Nem mesmo Jó, que teve um testemunho tão elevado da parte do Pai escapa do pecado, como é revelado por Eliú quando ele diz a Jó:
Na verdade, falaste perante mim, e eu ouvi o som das tuas palavras: Estou limpo, sem transgressão; puro sou e não tenho iniqüidade. Eis que Deus procura pretextos contra mim e me considera como seu inimigo. Põe no tronco os meus pés e observa todas as minhas veredas. Nisto não tens razão, eu te respondo; porque Deus é maior do que o homem. (Jó 33:8-12)
Coisas ruins acontecem a pessoas boas porque, na verdade, ninguém é bom.

Deus manda o bem e o mal
Contudo o problema não é só admitirmos que todos, sem exceção, são pecadores e sujeitos a ação do mal. A própria ideia de que uma enfermidade, um roubo ou um acidente tenham sido autorizados por Deus é intolerável a muitos. Talvez por esta razão alguns evangélicos neopentecostais rejeitem a ideia de que um cristão pode adoecer ou empobrecer.

Eu vi essa crença na Namíbia. Lá conheci um jovem que estuda para ser pastor e teve uma diarreia um dia após comer uma carne apimentada demais. A maioria das pessoas procuraria comer algo mais leve no dia seguinte ou buscaria um remédio. Esse jovem preferiu orar repreendendo o demônio que o deixou doente porque ele não acreditava que um filho de Deus pudesse adoecer.

No entanto, Deus não é apenas o Doador da vida, Ele também é o Pai que disciplina duramente os Seus filhos:
porque o Senhor corrige a quem ama e açoita a todo filho a quem recebe. (Hebreus 12:6)
E, muitas vezes, o chicote divino pode ser um demônio. Lendo o livro de Jó vemos que era o diabo quem roubou seus bens, matou seus filhos e o encheu de tumores. Jó, porém, disse à mulher que eles recebiam de Deus o bem e também o mal. E tem mais: ele não pecou quando disse isso! Em última análise, o mal causado pelos demônios vinha da mão de Deus. Nada no mundo, nem mesmo as piores calamidades ou violências, acontecem sem a permissão divina. Ele realmente está no controle de tudo, inclusive do mal.

No caso dos Seus filhos, o mal não é a punição pelos pecados, mas sim a disciplina que nos corrige. Não importa se ela vem na forma de um roubo, de uma diarreia, uma enchente ou mesmo o maior ataque diabólico possível. Ao contrário do que Jó pensava, Deus não procura pretextos contra Seus filhos nem os considera como inimigos. Não importa o que de ruim aconteceu: Deus não é nosso inimigo.

Mesmo quando o mal atinge aqueles que não servem a Deus, ainda aí o mal é permitido para levar os homens ao arrependimento. Quando sofremos por causa do nosso pecado ou do pecado de outros, o Senhor nos lembra que deixar os Seus mandamentos é algo que causa dor e prejuízo. Quando sofremos por causa de fatores que fogem ao nosso controle, como em uma catástrofe natural, o Senhor nos lembra de que o fim de todas as coisas vai acontecer de modo tão imprevisível quanto o momento da nossa morte. Se não temos controle sobre a próxima calamidade, devemos confessar isso diante do Deus que controla todas as coisas e nos rendermos diante d'Ele.

Todo sofrimento será compensado
Mas, afinal, qual a vantagem em servir a Deus? Se a nossa salvação não é uma garantia infalível contra os males que atingem a todos, por que deixar o pecado e servi-Lo? Era exatamente essa a angústia de Jó.

Jó não sabia, mas na verdade ele estava personificando a vida de Jesus. Se Jó era justo, Jesus viveu de modo perfeito. Se o sofrimento de Jó era uma injustiça, a maior de todas era fazer o Filho de Deus sofrer.

Quando sofremos, podemos encontrar consolo no fato de que Jesus também sofreu. Deus Pai não açoitou somente aos seus filhos adotivos, o seu Unigênito, embora inocente, também foi aperfeiçoado na mesma escola que nós:
Ele, Jesus, nos dias da sua carne, tendo oferecido, com forte clamor e lágrimas, orações e súplicas a quem o podia livrar da morte e tendo sido ouvido por causa da sua piedade, embora sendo Filho, aprendeu a obediência pelas coisas que sofreu e, tendo sido aperfeiçoado, tornou-se o Autor da salvação eterna para todos os que lhe obedecem, tendo sido nomeado por Deus sumo sacerdote, segundo a ordem de Melquisedeque. (Hebreus 5:7-10)
Jesus foi rejeitado, xingado, acusado, caluniado, surrado, torturado, roubado e morto. Mais do que isso: Ele carregou em Seu corpo a culpa dos pecados da Igreja. Se a nossa carga de dores parece enorme, a d'Ele foi ainda maior.

Mas todo esse sofrimento foi compensado. Jesus, enquanto homem, aprendeu. Foi aperfeiçoado. Ganhou como prêmio o ser nomeado sumo sacerdote de Deus. Como diz a Bíblia:
Todavia, ao SENHOR agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando der ele a sua alma como oferta pelo pecado, verá a sua posteridade e prolongará os seus dias; e a vontade do SENHOR prosperará nas suas mãos. Ele verá o fruto do penoso trabalho de sua alma e ficará satisfeito; o meu Servo, o Justo, com o seu conhecimento, justificará a muitos, porque as iniqüidades deles levará sobre si. Por isso, eu lhe darei muitos como a sua parte, e com os poderosos repartirá ele o despojo, porquanto derramou a sua alma na morte; foi contado com os transgressores; contudo, levou sobre si o pecado de muitos e pelos transgressores intercedeu. (Isaías 53:10-12)
Jesus sofreu, mas ficou satisfeito quando viu o resultado de seu penoso trabalho. No final, aquele que teve o sofrimento supremo, foi exaltado acima de todos. E, de certa forma, isso é o que acontece com a igreja.

No final do livro de Jó, ele ora por amigos que pecaram contra ele, acusando-o (Jó 42:8-9). O justo sofredor ainda pediu ao Pai que perdoasse aqueles que fizeram falsas acusações. E, assim como Jesus, Jó também foi exaltado por Deus após seu sofrimento:
Assim, abençoou o SENHOR o último estado de Jó mais do que o primeiro; porque veio a ter catorze mil ovelhas, seis mil camelos, mil juntas de bois e mil jumentas. Também teve outros sete filhos e três filhas. Chamou o nome da primeira Jemima, o da outra, Quezia, e o da terceira, Quéren-Hapuque. Em toda aquela terra não se acharam mulheres tão formosas como as filhas de Jó; e seu pai lhes deu herança entre seus irmãos. Depois disto, viveu Jó cento e quarenta anos; e viu a seus filhos e aos filhos de seus filhos, até à quarta geração. Então, morreu Jó, velho e farto de dias. (Jó 42:12-17)
O que aconteceu com Jó é o que vai acontecer com todos os irmãos de Jesus, com todos os filhos de Deus. Pode ser que a exaltação só aconteça no último dia, quando o Senhor Jesus voltar. Mas cada presente roubado, cada pessoa perdida, cada dor que sentimos...tudo isso será compensado.

Males grandes e pequenos atingirão a mim, a você e a todos os filhos de Deus enquanto vivermos. Mas com Jó podemos aprender que Deus está sim no controle de tudo e que essas dores fazem parte de um plano maior do Senhor.

Soli Deo Gloria!

Graça e paz do Senhor,

Helder Nozima
Barro nas mãos do Oleiro

14 janeiro 2011

Como ajudar os afetados pelas enchentes no Rio de Janeiro

Post atualizado em 16 de janeiro de 2011.

Amados leitores,

O Conselho de Ação Social da IPB abriu uma conta no Banco do Brasil específica para ajudar os afetados pelas enchentes e desmoronamentos no estado do Rio de Janeiro. Os dados são:

Igreja Presbiteriana do Brasil
CNPJ: 001183310002/01
Banco do Brasil
Agência: 4442-3
Conta Corrente - 6000-3

Todas as doações devem terminar com R$ 2,00 (por exemplo, R$ 202,00).

Além disso, a IPB pede a doação dos seguintes materiais: água, velas, alimentos não perecíveis, leite em pó, material de limpeza e higiene pessoal, colchão, roupas e calçados em bom estado, roupas íntimas novas para adultos e crianças, roupas de cama, mesa e banho.

Segundo o blog O Tempora, O Mores, o Presbitério de Magé (RJ) também está recebendo doações para ajudar os afetados pelas chuvas no estado do Rio de Janeiro. Quem puder fazer doações diretamente a este Presbitério por meio de transferência bancária:

Para doações em dinheiro - Presbitério de Magé, Banco Bradesco, Agência 1546-6, conta corrente, 7806-9. (CNPJ 01.264.150-0001/75)

Quem quiser doar alimentos ou roupas, pode levar as suas doações para o seguinte endereço: Avenida 02, No. 21, Jardim Novo Mundo, Magé. As necessidades são de roupas em perfeito estado; roupas íntimas novas; roupas de cama, mesa e banho; alimentos não perecíveis, velas, material de higiene pessoal, limpeza, entre outros.

Uma outra denominação, tradicional mas não reformada, a Igreja Cristã Evangélica do Brasil também está recebendo doações. A Igreja Cristã Evangélica de Queirós fica em São José do Vale do Rio Preto (RJ), uma das cidades mais atingidas. As doações em dinheiro podem ser feitas na seguinte conta:

SOS ICE Queirós - Banco Bradesco, agência 0240, c/c 59677-9, em nome da Igreja Cristã Evangélica do Brasil.

Que possamos nos mobilizar para ajudar os nossos irmãos em Cristo em dificuldade...e também ajudá-los a terem com o quê socorrer aos demais, em nome de Jesus.

Governo
Quem quiser também pode doar quantias em dinheiro para prefeituras e para a Defesa Civil. As informações abaixo foram obtidas no site do Estadão:

Prefeitura de Teresópolis - Banco do Brasil, agência 0741, C/C 110000-9

Prefeitura de Nova Friburgo - Banco do Brasil, agência 0335-2, C/C 120000-3

Defesa Civil - Caixa Econômica Federal, Agência 0199, C/C 2011-0 para a operação 006

Publique essas informações em seu blog e divulgue no Twitter, no Facebook, no Orkut, em sua igreja local, na sua escola, no trabalho e onde mais for possível.

12 janeiro 2011

Wayne Grudem no Brasil!

De todos os teólogos que eu li, nenhum foi tão decisivo na minha formação como Wayne Grudem. Lendo sua Teologia Sistemática, deixei de ser um calvinista hesitante para me tornar um completamente seguro da minha posição. Também foi lendo Grudem que fui convencido da impossibilidade do cessacionismo e consolidei meus pontos de vista sobre os dons do Espírito Santo. Sua obra é muito acessível e recheada de versículos bíblicos que fundamentam sua posição, de tal forma que ele consegue levar a Teologia Sistemática (minha área favorita da teologia) ao alcance dos leigos.

Por todos estes motivos, é com muita alegria que compartilho com vocês que ele estará aqui no Brasil de 14 a 16 de março de 2011, no II Congresso Internacional de Religião, Teologia e Igreja, promovido pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Infelizmente não poderei vê-lo este ano (por um excelente motivo), mas se você puder, não perca a oportunidade de ouvir um grande servo do Altíssimo.

Que o Senhor possa recompensar ricamente a vida deste notável teólogo, instrumento divino para me trazer paz em um momento em que andava angustiado, pressionado por professores e alunos acerca de minhas convicções teológicas. Se este blog quer unir Reforma e Carisma, com certeza o teólogo que melhor retrata o que busco é Wayne Grudem.

Informações sobre inscrições no site das Edições Vida Nova. O telefone da Universidade Presbiteriana Mackenzie é (11) 2114-8718.

Graça e paz do Senhor,

Helder Nozima
Barro nas mãos do Oleiro

04 janeiro 2011

A essência de um levita

Como vocês sabem, os evangélicos têm o costume de falar um dialeto próprio, cheio de expressões estranhas para as outras pessoas. Uma dessas expressões é "levita", normalmente usada para identificar os músicos e cantores das igrejas, as pessoas que ministram o louvor e a adoração cantada a Deus.

A origem do termo está lá na Lei de Moisés. Os levitas são os integrantes da tribo de Levi, descendentes do terceiro filho de Jacó. A tribo de Levi foi separada por Deus para trabalhar no tabernáculo e dirigir o povo de Israel no culto a Deus. Mas eles não eram apenas cantores...eram também porteiros, sacerdotes, professores, tesoureiros e até o de carregadores de objetos. Se fôssemos fazer justiça à analogia, não apenas os cantores, mas todas as pessoas que servem a Deus na igreja, do faxineiro ao pastor, da recepcionista ao tesoureiro, do técnico de som ao regente do coral...todas elas deveriam ser "levitas". Não, digo mais: todos os verdadeiros filhos de Deus são levitas, porque todos nós somos sacerdotes de Cristo, e não apenas o pastor.

Mas, na verdade, ser levita é muito mais que apenas trabalhar na igreja e ser um sacerdote de Cristo. E é isso o que Moisés, o mais ilustre dos filhos de Levi, nos ensina na Palavra de Deus:
Vendo Moisés que o povo estava desenfreado, pois Arão o deixara à solta para vergonha no meio dos seus inimigos, pôs-se em pé à entrada do arraial e disse: Quem é do SENHOR venha até mim. Então, se ajuntaram a ele todos os filhos de Levi, aos quais disse: Assim diz o SENHOR, o Deus de Israel: Cada um cinja a espada sobre o lado, passai e tornai a passar pelo arraial de porta em porta, e mate cada um a seu irmão, cada um, a seu amigo, e cada um, a seu vizinho. E fizeram os filhos de Levi segundo a palavra de Moisés; e caíram do povo, naquele dia, uns três mil homens. Pois Moisés dissera: Consagrai-vos, hoje, ao SENHOR; cada um contra o seu filho e contra o seu irmão, para que ele vos conceda, hoje, bênção. (Êxodo 32:25-29)

De Levi disse: Dá, ó Deus, o teu Tumim e o teu Urim
para o homem, teu fidedigno, que tu provaste em Massá,
com quem contendeste nas águas de Meribá;

aquele que disse a seu pai e a sua mãe:

Nunca os vi;
e não conheceu a seus irmãos
e não estimou a seus filhos,
pois guardou a tua palavra
e observou a tua aliança.

Ensinou os teus juízos a Jacó
e a tua lei, a Israel;
ofereceu incenso às tuas narinas
e holocausto, sobre o teu altar.
Abençoa o seu poder, ó SENHOR,
e aceita a obra das suas mãos,
fere os lombos dos que se levantam contra ele
e o aborrecem,
para que nunca mais se levantem. (Deuteronômio 33:8-11)
Os levitas, no Antigo Testamento, são um tipo, um símbolo do ministério de Jesus como Servo e como Sacerdote. E podemos ver que segundo a Bíblia a essência do levita não está em seu ministério, mas sim em seu caráter.

Assuma publicamente o chamado de Deus
Para entendermos isso, precisamos voltar ao momento em que Deus decidiu separar a tribo de Levi para o serviço divino. E as circunstâncias não eram boas. Moisés havia subido ao monte Horebe para receber a Lei de Deus e as tábuas com os Dez Mandamentos. Esse processo durou quarenta dias, e os israelitas ficaram impacientes, achando que Moisés morreu. E por causa dessa impaciência, eles fizeram um bezerro de ouro e entregaram-se à idolatria. Enquanto o Deus vivo entregava a Lei, Israel preferia adorar uma estátua.

Mesmo com a chegada de Moisés, alguns idólatras continuavam. Aquilo precisava ter um fim. E aí Moisés pergunta: Quem é pelo Senhor? As tribos de Israel eram doze. Mas apenas uma respondeu ao apelo: a tribo de Levi. Enquanto os demais preferiam se esconder ou pecar, os levitas atenderam ao chamado de Deus.

Ser levita não é identificar-se com Deus apenas dentro da igreja, na hora de cantar músicas em uma posição de destaque diante dos fiéis, impressionando as gatinhas. Não é andar de terno em dia de domingo com Bíblia debaixo de braço. Ser levita é ouvir o chamado público de Deus e obedecer a este chamado, identificando-se com Deus enquanto os demais estão pecando ou se escondendo. Um sinal de coragem que é esperado de todos os discípulos de Jesus:
Porque qualquer que, nesta geração adúltera e pecadora, se envergonhar de mim e das minhas palavras, também o Filho do Homem se envergonhará dele, quando vier na glória de seu Pai com os santos anjos. (Marcos 8:35)
Hoje muitos líderes se identificam como cristãos na igreja, mas se escondem quando vão para o meio de uma geração adúltera e pecadora. Eu mesmo, devo reconhecer, muitas vezes acabo tendo mais medo dos adúlteros e pecadores que de Cristo. Mas essa não é a atitude que deve estar nos discípulos de Jesus.

Quando o mundo diz ser favorável ao aborto, ao casamento homossexual e a ideia de que todos os caminhos levam a Deus, os levitas devem se erguer e ficar do lado do Senhor. Devem se separar dos demais e deixar claro que estão do lado de Deus. Não devem ter medo de serem identificados como aqueles que são pelo Senhor. Mesmo que isso signifique ficar sozinho no mundo...ou na igreja.

Ame a Deus mais do que a sua família
Mas, qual o objetivo de Deus em convocar os que são seus? O Senhor chama os Seus filhos para que santifiquem o Seu nome, colocando-se contra um mundo pecador. Sim, a Bíblia diz que Deus é amor. No entanto, ela também ensina que Ele é o Santo e quer que os homens deixem seus pecados e se arrependam.

Se o pecado é cometido atrevidamente, diante da presença santa de Deus e sem arrependimento, como era o caso da adoração ao bezerro de ouro, não há perdão para o pecador. Nessas situações, o castigo deve ser aplicado. E a justa penalidade para todos os pecados é a morte:
porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor. (Romanos 6:23)
A idolatria de Israel foi cometida diante da glória de Deus. A santidade divina exigia que a justiça fosse aplicada imediatamente. E a ordem de Deus era a de que os idólatras deveriam morrer, ainda que fossem irmãos, amigos, vizinhos...ou filhos.

Sem dúvida alguma, esse foi o grande teste de caráter dos levitas. Obedecer a Deus seria ir contra as pessoas que eles mais amavam. A nossa reação natural seria a de recuar. Mas os levitas se foram, saíram pelo arraial e três mil pessoas caíram mortas. Eles cumpriram a ordem de Deus, mostrando que amaram mais o Senhor do que o próprio sangue.

Hoje não mostramos este amor pegando em armas e matando idólatras. Agora é a época da pregação, no futuro, Deus mesmo julgará os que não se arrependerem e os condenará ao inferno. Mas, mesmo assim, ainda temos diante de nós a mesma escolha dos levitas. Muitas vezes nós precisamos escolher entre agradar a Deus ou aos nossos parentes e amigos. E quem ensina isso é o próprio Jesus:
Não penseis que vim trazer paz à terra; não vim trazer paz, mas espada. Pois vim causar divisão entre o homem e seu pai; entre a filha e sua mãe e entre a nora e sua sogra. Assim, os inimigos do homem serão os da sua própria casa. Quem ama seu pai ou sua mãe mais do que a mim não é digno de mim; quem ama seu filho ou sua filha mais do que a mim não é digno de mim; e quem não toma a sua cruz e vem após mim não é digno de mim. (Mateus 10:34-38)
Amar a Deus mais do que amamos a família não é uma exigência só para os levitas nos dias de Moisés: é uma exigência de Jesus para todos os Seus discípulos. Se nossos familiares querem nos proibir de cultuar a Deus ou ler a Bíblia, devemos desobedecê-los e servir ao Senhor. Se eles fizerem alguma chantagem emocional, nos acusando de condenarmos os nossos ancestrais ao inferno, devemos continuar do lado de Jesus. Se nos expulsarem de casa (como acontece em muitos países), nos deserdarem, baterem em nós, cortarem a mesada ou o sustento, nos excluírem de suas festas...devemos considerar que Jesus vale mais a pena do que tudo isso, mesmo que o preço seja abrir mão do amor do nosso próprio sangue.
O profeta Jeremias era levita e foi perseguido por seus familiares.
Quadro O Profeta Jeremias, de Michelângelo (1512).

Tenho percebido que muitas vezes as pessoas até se interessam pelo Evangelho, mas recuam quando percebem que a fé bíblica é diferente da fé dos parentes. Há quem ouça as promessas de salvação e prefira ir ao inferno com o resto da família do que ir para o céu com Jesus. E muitos evangélicos participam de cerimônias que são abomináveis aos olhos de Deus, como missas ou cerimônias em favor de mortos, porque receiam ir contra a família. Infelizmente pais chegam a se calar sobre o pecado dos filhos porque preferem ter paz com eles do que obedecer ao mandamento do Senhor.

Ser levita é um dever de todos nós
Talvez algum cristão leia este artigo e pense que exigências tão pesadas sejam apenas para os pastores e líderes. Os leigos, aqueles que não fazem nada na igreja, estes são livres de um compromisso tão alto. Lamento informar...mas Deus espera de todos os Seus filhos a mesma obediência que os levitas tiveram no deserto.

Levitas não são supercrentes. Pouco tempo antes, eles mesmos estavam se prostituindo, bebendo e adorando ao bezerro. Aliás, um levita fez o bezerro de ouro: Arão, que seria escolhido o sumo-sacerdote de Israel! A única coisa que os tornou diferentes é que eles se arrependeram, atenderam ao chamado de Deus, amaram ao Senhor mais do que a qualquer outra coisa e foram obedientes.

Segundo as Escrituras, no Antigo Testamento, o sacerdócio era um privilégio da tribo de Levi. Mas hoje esse privilégio e essa responsabilidade são de todos os cristãos:
Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz; vós, sim, que, antes, não éreis povo, mas, agora, sois povo de Deus, que não tínheis alcançado misericórdia, mas, agora, alcançastes misericórdia. (1 Pedro 2:9-10)
Que o Deus de Levi nos ajude hoje a sermos verdadeiros levitas, devotados ao nosso Senhor! A Ele, e somente a Ele, seja dada toda a glória!

Graça e paz do Senhor,

Helder Nozima
Barro nas mãos do Oleiro

02 janeiro 2011

O caldeirão de deuses de Luciano Huck

Qual a palavra que melhor descreve a identidade brasileira? Futebol? Samba? "Jeitinho"? Nada disso: antes de ser o país da bola, da música e onde se resolve tudo, ainda que com jeitinho...o Brasil é o país da mistura, da miscigenação. Aqui é onde diferentes povos, culturas e ritmos se misturam, dando ao Brasil o tom e o sabor que marcam o nosso país.

Na verdade, gostamos tanto de juntar as coisas que fazemos isso até mesmo com ideologias, pensamentos e práticas que são contraditórios. Aqui pode-se encontrar admiradores de Marx ansiosos para ter o último iPhone, racionalistas que acreditam em astrologia e pessoas que adoram ver o filme Tropa de Elite e fumam um baseado toda semana. Mas poucas coisas se comparam a um judeu casado com católica, genro de evangélica, rendendo homenagens a Iemanjá e desejando energias positivas para 2011, como pode ser visto neste link.

Nem tudo pode ser misturado. O sincretismo religioso está na alma até mesmo de um judeu-brasileiro, mas é uma abominação para o verdadeiro Deus de Israel, como mostra a Bíblia:
Agora, pois, ouve, ó Jacó, servo meu, ó Israel, a quem escolhi.

Assim diz o SENHOR, que te criou, e te formou desde o ventre, e que te ajuda: Não temas, ó Jacó, servo meu, ó amado, a quem escolhi. Porque derramarei água sobre o sedento e torrentes, sobre a terra seca; derramarei o meu Espírito sobre a tua posteridade e a minha bênção, sobre os teus descendentes; e brotarão como a erva, como salgueiros junto às correntes das águas. Um dirá: Eu sou do SENHOR; outro se chamará do nome de Jacó; o outro ainda escreverá na própria mão: Eu sou do SENHOR, e por sobrenome tomará o nome de Israel.

Assim diz o SENHOR, Rei de Israel, seu Redentor, o SENHOR dos Exércitos: Eu sou o primeiro e eu sou o último, e além de mim não há Deus. Quem há, como eu, feito predições desde que estabeleci o mais antigo povo? Que o declare e o exponha perante mim! Que esse anuncie as coisas futuras, as coisas que hão de vir!

Não vos assombreis, nem temais; acaso, desde aquele tempo não vo-lo fiz ouvir, não vo-lo anunciei? Vós sois as minhas testemunhas. Há outro Deus além de mim? Não, não há outra Rocha que eu conheça.

Todos os artífices de imagens de escultura são nada, e as suas coisas preferidas são de nenhum préstimo; eles mesmos são testemunhas de que elas nada vêem, nem entendem, para que eles sejam confundidos. Quem formaria um deus ou fundiria uma imagem de escultura, que é de nenhum préstimo? Eis que todos os seus seguidores ficariam confundidos, pois os mesmos artífices não passam de homens; ajuntem-se todos e se apresentem, espantem-se e sejam, à uma, envergonhados. O ferreiro faz o machado, trabalha nas brasas, forma um ídolo a martelo e forja-o com a força do seu braço; ele tem fome, e a sua força falta, não bebe água e desfalece. O artífice em madeira estende o cordel e, com o lápis, esboça uma imagem; alisa-a com plaina, marca com o compasso e faz à semelhança e beleza de um homem, que possa morar em uma casa. Um homem corta para si cedros, toma um cipreste ou um carvalho, fazendo escolha entre as árvores do bosque; planta um pinheiro, e a chuva o faz crescer. Tais árvores servem ao homem para queimar; com parte de sua madeira se aquenta e coze o pão; e também faz um deus e se prostra diante dele, esculpe uma imagem e se ajoelha diante dela. Metade queima no fogo e com ela coze a carne para comer; assa-a e farta-se; também se aquenta e diz: Ah! Já me aquento, contemplo a luz. Então, do resto faz um deus, uma imagem de escultura; ajoelha-se diante dela, prostra-se e lhe dirige a sua oração, dizendo: Livra-me, porque tu és o meu deus.

Nada sabem, nem entendem; porque se lhes grudaram os olhos, para que não vejam, e o seu coração já não pode entender. Nenhum deles cai em si, já não há conhecimento nem compreensão para dizer: Metade queimei e cozi pão sobre as suas brasas, assei sobre elas carne e a comi; e faria eu do resto uma abominação? Ajoelhar-me-ia eu diante de um pedaço de árvore? Tal homem se apascenta de cinza; o seu coração enganado o iludiu, de maneira que não pode livrar a sua alma, nem dizer: Não é mentira aquilo em que confio?

Lembra-te destas coisas, ó Jacó, ó Israel, porquanto és meu servo! Eu te formei, tu és meu servo, ó Israel; não me esquecerei de ti. (Isaías 44:1-21)
Só há um único Deus
A declaração mais forte que é feita em Isaías 44 é esta: há apenas um único Deus e não há nenhum outro além d'Ele. Ele é o primeiro, ou seja, nenhuma divindade ou criatura existia antes d'Ele e o último, isto é, nada nem ninguém virá depois d'Ele. Por esta razão, buscar outros deuses é um engano.

Em certa medida, o que Deus diz a Israel se aplica a todos os seres humanos. Nenhum ser humano foi criado por um orixá ou um espírito guia, não somos gerados por forças impessoais ou por uma multidão de deuses. Todos nós somos criação do Deus Único, do Deus da Bíblia, de YHWH. O capítulo 44 de Isaías começa com essa lembrança: a de que fomos feitos pelo Senhor.

Mais do que isso: o Todo-Poderoso nos ajuda. Podemos confiar em suas promessas de auxílio, porque Ele é Deus, ou seja, perfeito e perfeitamente capaz de cumprir o que Ele promete. Por esta razão, os verdadeiros cristãos podem ter certeza de que as almas secas e sedentas terão dentro de si o Espírito Santo e a bênção divina.

Mas essa promessa só alcança àqueles que se identificam com esse Deus Soberano. Ele transforma sim, mas apenas a vida daqueles que dizem: "eu sou do Senhor", sou propriedade de Deus. As águas só brotam nos corações que escrevem na palma da mão que pertencem a Ele e que chegam ao ponto de não se identificarem mais com sua pátria terrena, para se declararem cidadãos do verdadeiro Israel, formado pelos filhos de Deus.

Além de mim não há Deus
Entretanto, há uma conseqüência nessas palavras que passa despercebida aos olhos da maioria dos brasileiros. Deus não aceita ser sócio de ninguém: quando Ele é dono de alguém ou de alguma coisa, Ele controla 100%. O Senhor não aceita dividir a Sua glória e Seus direitos de posse e Suas promessas são reservadas apenas para Israel. Traduzindo: Deus só promete matar a sede daqueles seres humanos que fazem parte de Seu povo e adoram somente a Ele.

Não adianta acender uma vela a Deus e outra ao diabo, ser um judeu parente de cristãos e buscar o favor de ídolos afro-brasileiros. Não dá pra desejar Feliz Natal e cometer idolatria no minuto seguinte: Jesus não aceita ser apenas mais um deus no panteão, Ele exige ser a única divindade. E, por isso, Deus adverte: além de mim não há Deus, não há outra Rocha que eu conheça.

E nada melhor para demonstrar isso do que descrever a rotina dos fabricadores de ídolos. Até hoje, em pleno século XXI, bilhões de pessoas vão atrás de estátuas feitas de ferro, madeira e outros materiais para render orações, depositar oferendas e até pedir por milagres. Mas esses deuses são feitos por seres humanos dos mesmos materiais que eles usam para cozinhar, construir ou trabalhar. Na verdade, são inferiores a nós. Mas a dureza é tão grande, que os olhos humanos não veem e seus corações não conseguem compreender o absurdo de buscarem os ídolos.
Anúbis: um dos muitos ídolos já postos no lugar de Deus

E mudar de estátua para anjo, orixá, espírito ou um outro "Deus" não representado não torna menor a cegueira. A Bíblia não nega a existência de seres espirituais capazes até mesmo de fazerem grandes milagres e sinais, como matar pessoas ou fazer cair fogo do céu. Mas esses seres não são Deus. Não se comparam ao poder do Criador de todas as coisas.

Fazendo uma comparação, um apresentador de TV pode sim fazer alguma coisa, como reformar carros e até mesmo todo um vilarejo, como fez Luciano Huck. Um ser espiritual pode até curar alguém de uma enfermidade. No entanto, só Deus pode salvar definitivamente uma alma seca e sedenta, morta pelos pecados e transformá-la por meio do Seu Espírito, de modo que ela se torna como um salgueiro plantado junto a correntes de águas! Os ídolos podem até mudar a sua vida neste mundo, mas Deus pode transformá-la para sempre, aqui e depois da morte.
O salgueiro junto às águas

Lembre-se disso, Israel
Por que então caímos nessa cegueira? A explicação é no pecado que habita em nós, que faz com que nos esqueçamos dessas verdades. Não é preciso muita razão para deixarmos de adorar estátuas ou percebermos que os seres espirituais são limitados em seu poder. Mas até o mais sábio dos homens acaba se esquecendo do Deus vivo e coloca um ídolo no lugar: seja o dinheiro, os prazeres ou até a sua própria racionalidade.

Precisamos nos lembrar de quem é Deus e do quanto Ele é superior aos demais. Em Isaías 44, o Senhor também pede aos israelitas que se lembrem das previsões que Ele fez por meio de Seus profetas e que se realizaram como uma prova de Seu poder superior. Hoje, Ele nos pede que façamos o mesmo. Podemos ver  hoje em nossas Bíblias uma série de profecias que se cumpriram, relatos feitos séculos antes do nascimento de Jesus e que se cumpriram à risca, desde o lugar de Seu nascimento até a Sua ressurreição, incluindo detalhes como a divisão de suas vestes pelos soldados romanos (Sl 22:18). O cumprimento destas predições é uma prova de que as outras profecias e verdades bíblicas são reais e irão acontecer.

Mas essa lembrança também é um convite a ação. Até hoje, Deus fala por meio do profeta Isaías, chamando não só a Israel, mas todas as nações da Terra ao arrependimento. Hoje o Senhor o convida a deixar para trás os ídolos e tornar-se propriedade exclusiva de Deus. O caminho está descrito nas palavras de Jesus Cristo:
Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim. (João 14:6)

Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porquanto Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem nele crê não é julgado; o que não crê já está julgado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus. (João 3:16-18)
Deixe para trás o caldeirão de deuses e venha servir ao Único Senhor. Garanto que Ele tem pra você algo muito melhor do que uma Lata Velha ou um Lar Doce Lar.

Graça e paz do Senhor,

Helder Nozima
Barro nas mãos do Oleiro